Sonda InSight lançada na Califórnia com destino a Marte

Vai percorrer cerca de 385 milhões de quilómetros em pouco mais de seis meses

A sonda InSight foi lançada este sábado na Base da Força Aérea de Vandenberg, na Califórnia, e percorrerá cerca de 385 milhões de quilómetros em pouco mais de seis meses até chegar a Marte.

O veículo da Agência Espacial Norte-Americana (NASA), que foi chamado de Exploração Interior usando Investigações Sísmicas, Geodésica e Transporte de Calor (InSight), subiu rapidamente pelo céu enevoado da base de Vandenberg, da Força Aérea dos Estados Unidos da América, propulsada pelo um foguete Atlas V, às 11:05 GMT (12:05 em Lisboa).

O lançamento foi originalmente previsto para 2016, mas vazamentos num instrumento resultaram num adiamento para 2018.

As janelas favoráveis de lançamento para o planeta vermelho aparecem apenas a cada dois anos.

Se tudo correr como planeado desta vez, a sonda deve chegar ao seu destino em 26 de novembro, tornando-se no primeiro veículo da NASA a pousar em Marte desde a sonda Curiosity, em 2012.

A sua missão será detetar os terramotos marcianos que, segundo a descrição da NASA, são "como um clarão que ilumina a estrutura interna do planeta".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.