Renato Paiva: "Estudo eficiente não é passivo"

Quais as vantagens associadas à utilização de plataformas digitais de apoio ao estudo?
A integração do áudio e da imagem acaba por ser um complemento que os livros não têm, pelo que se tornam mais apelativos. A possibilidade de ver vídeos explicativos pode ajudar a perceber todo o contexto, o que pode ser mais motivador do que estar a olhar para um livro estático. Muitos miúdos dizem que estudar é uma coisa chata, portanto temos de arranjar maneira de tornar isto um pouco menos penoso para os estudantes. Estas são maneiras de tornar o estudo mais simples e menos penoso. É mais um recurso além dos manuais, fotocópias, powerpoints.
E os riscos?
Temos de ter cautela no que diz respeito às fontes que utilizamos. Há umas mais fidedignas do que outras, pelo que é aconselhável que os alunos peçam conselhos aos professores sobre quais as mais científicas. Há muito material de apoio disponibilizado por fóruns e blogues de professores, mas também há partilhas de ficheiros sem grande base científica. Por vezes, enquanto estudam com estes recursos têm também uma janela aberta com chats, jogos. A possibilidade de fazer várias coisas ao mesmo tempo pode permitir escapar aos conteúdos.
Muitas destas plataformas permitem que os pais controlem o que os filhos fazem. É uma vantagem em relação ao livro?
Com os livros também é possível controlar. Um estudo eficiente não é passivo. Temos de produzir para pensar sobre, o que implica fazer resumos, esquemas, apontamentos, exercícios. Se os filhos não mostram nada do que fizeram no período de estudo, é de desconfiar.
Esta é uma forma de ir ao encontro daquilo que é hoje a realidade das crianças?
É colocar nas mãos dos miúdos a informação da forma mais fácil para conseguirem aceder em qualquer lado. O que me parece mais vantajoso é o imediatismo, bem como os vídeos explicativos.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.