Quase 15% dos idosos em risco de desnutrição

Quase sete em cada dez idosos portugueses apresentam carências de vitamina D e mais de metade ingere menos cálcio do que o adequado, havendo 15% em risco de desnutrição, segundo um relatório nacional que é hoje divulgado em Lisboa.

Dados do projeto "Nutrition Up 65", que integram o relatório do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, mostram que 14,5% das pessoas com mais de 65 anos exibiam risco de desnutrição e que 1,3% estavam efetivamente desnutridas.

"São perto de 15% [os idosos] em risco de desnutrição, o que significa uma faixa grande desta população que não é alimentada como devia", comenta Pedro Graça, diretor do Programa, em declarações à agência Lusa.

Menos de um terço dos idosos portugueses apresenta um nível adequado de vitamina D, que é importante nomeadamente para a qualidade dos osos.

Quanto ao cálcio e à vitamina D, Pedro Graça afirma não ser contra a toma de suplementos, mas avisa que a população mais idosa deve ser seguida nutricionalmente por um profissional de saúde, a quem cabe o aconselhamento sobre a suplementação alimentar.

"As pessoas a partir dos 65 anos devem ter um apoio médico e nutricional relativo à sua alimentação, com os especialistas a identificarem os seus hábitos alimentares e a corrigi-los. Com uma alimentação saudável, não serão necessários suplementos, mas, se forem, só um profissional de saúde deve dar essa indicação", afirmou o diretor do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável.

Na população idosa, também os indicadores de consumo de sal são problemáticos, com 85% das pessoas a partir dos 65 anos a consumirem mais sal do que o que é aconselhado (até cinco gramas por dia).

A prevalência de idosos com pré-obesidade e obesidade é também maior do que na população geral e rondam os 70% os que apresentam excesso de peso.

Pedro Graça sublinha que a população idosa "é uma população de risco que precisa de ser observada e cuidada", indicando que foi a primeira vez que se detalharam alguns indicadores relativamente aos hábitos alimentares dos mais velhos, uma faixa que tem sido menos analisada.

"Há a necessidade de dar atenção muito particular às populações idosas, não só as institucionalizadas, mas também as que vivem nas suas próprias casas", disse.

Alguns hábitos alimentares que se tinham ao longo da vida podem perder-se ou deteriorar-se, acrescentando a que a vontade de cozinhar só para si se vai perdendo, tal como se deteriora a capacidade de mastigar com o evoluir da idade.

Os idosos tendem ainda a começar a apreciar comidas mais doces e a preferir alimentos nutricionalmente menos ricos. É necessário então encaminhá-los para alimentos mais densos a nível nutricional e com menos energia.

Pedro Graça indica também que se trata de dados recolhidos "depois de três ou quatros anos de grande crise económica e social", durante os quais muitos dos idosos foram inclusivamente um apoio fundamental para filhos e netos.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.