Projeto que integra equipa do i3S ganha Prémio Europeu de Saúde

A ideia base do projeto galardoado, que conta com mais cinco parceiros europeus, é disponibilizar, online e gratuitamente, conteúdos educativos para profissionais de cuidados de saúde primários

O Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) anunciou hoje que um projeto europeu que ajuda a identificar sinais de problemas genéticos, nomeadamente cancros e doenças neurodegenerativas hereditárias, foi o vencedor do Prémio Europeu de Saúde.

O projeto Gen-Equip, que integrou uma equipa de investigadores do Centro de Genética Preditiva e Preventiva (CGPP) e do i3S, foi selecionado pelo "alto nível de inovação e pelo valioso contributo para a formação de profissionais de saúde na Europa".

A ideia base do projeto galardoado, que conta com mais cinco parceiros europeus, é disponibilizar, online e gratuitamente, conteúdos educativos para profissionais de cuidados de saúde primários.

Desta forma, esclarecem os promotores do Gen-Equip, os cuidados prestados a pacientes, que têm ou estão em risco de ter alguma condição de saúde de base genética, serão "grandemente melhorados e adequados".

Segundo Milena Paneque, investigadora do i3S e do Centro de Genética Preditiva e Preventiva (CGPP), que coordenou a equipa portuguesa, "os serviços de saúde primária são a primeira linha de apoio a estes pacientes, mas frequentemente sentem dificuldades em resolver questões simples, mesmo de orientação dos pacientes".

Por isso, sustenta, "disponibilizamos ferramentas básicas e essenciais para orientar esses profissionais quando prestam apoio nesses casos".

Na plataforma online do projeto podem encontrar-se, entre outros, tutoriais, casos de estudo práticos, sinais de alerta e indicadores que facilitam o diagnóstico precoce de várias doenças hereditárias.

Por exemplo, há módulos que ajudam a identificar situações de gravidez que deverão ser referenciadas para consulta de Genética, outros que ensinam a identificar sinais de alerta quando existe um atraso no desenvolvimento da criança, e outros ainda sobre indicadores de várias condições hereditárias no adulto, tais como o cancro da mama, o cancro coloretal ou doenças cardiovasculares.

Os profissionais poderão fazer formação online para estas patologias em qualquer altura e em qualquer fase da carreira.

O projeto Gen-Equip foi lançado em 2014 integrado e financiado pelo programa Erasmus+ e foi desenvolvido numa lógica de colaboração entre académicos, profissionais de saúde e pacientes de vários países europeus.

Em Portugal, de acordo com Milena Paneque, "o número de profissionais a realizarem algum destes oito módulos temáticos só é ultrapassado pelos participantes do Reino Unido".

A realização de dois workshops para a aproximação entre os especialistas da Genética e da Medicina Geral Familiar, em Lisboa e no Porto (i3S), "já começam a dar os seus primeiros frutos com a recente proposta de criação do Núcleo de Estudos em Genética dentro da própria Associação Portuguesa de Medicina Geral Familiar", acrescenta.

O European Health Forum Gastein (EHFG) atribui o prémio European Health Award para reconhecer projetos transnacionais que contribuem para a melhoria da saúde pública e dos sistemas de saúde na Europa.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.