Portugal tem quatro entre as 95 melhores escolas de gestão do mundo

European Business Schools Rankings de 2017 do Financial Times regista entrada do ISCTE. London Business School é a líder.

Esta é a primeira vez que Portugal tem quatro presenças no ranking das melhores escolas de gestão do mundo feito anualmente pelo jornal Financial Times e que avaliou este ano 95 instituições.

A Nova School of Business & Economics (Nova SBE) e a Católica Lisbon of Business & Economics (Católica-Lisbon) são as portuguesas mais bem classificadas, surgindo em 25.º e 26.º lugares, respetivamente, entre as 95 escolas do ranking. No ano passado, estavam ambas em 23.º.

Para o professor Daniel Traça, dean da Nova SBE, "este resultado reforça, mais uma vez, a estratégia de inovação, internacionalização e impacto da escola. Temos adaptado constantemente os nossos programas, dando resposta à procura de talento e ajustando-os às necessidades, em constante evolução das diferentes gerações, das organizações e da sociedade. Estamos consciente que há ainda caminho para percorrer, mas otimistas que com o apoio da comunidade - alunos, antigos alunos, parceiros corporativos, sociedade, faculty e staff - conseguiremos alcançar os objetivos".

Já a Porto Business School subiu três lugares na tabela, ocupando este ano a 59.ª posição.

Mas a grande novidade é a estreia da ISCTE Business School, que entrou diretamente para o 80.º posto do ranking do FT.

"Esta classificação culmina um ano de sucesso ao nível dos rankings internacionais e vem reconhecer o trabalho desenvolvido pela escola desde a sua fundação", referiu José Paulo Esperança, dean da ISCTE Business School. "A entrada no ranking das melhores escolas de gestão é extremamente valiosa porque vem dar à ISCTE Business School uma visibilidade ainda maior nos mercados internacionais", acrescentou.

O European Business Schools Rankings de 2017 é liderado pela London School of Economics, seguida pela Paris HEC e pela IE Business School (Espanha).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...