Portugal sem condições para acabar com a rádio FM

A Noruega tornou-se a semana passada o primeiro país do mundo a acabar com a rede analógica. Por cá, os especialistas dizem que isso significaria "a morte da rádio"

Toda a família em redor de um rádio. O relato de futebol ouvido no transístor. A informação do trânsito e às meias horas escutada no carro. Estes cenários, mais antigos ou contemporâneos, são-lhe familiares? Claro que sim. Na Noruega também eram. Mas já não são. Aquele país nórdico tornou-se o primeiro do mundo a acabar com a rádio FM. Agora, é tudo digital, embora a medida esteja longe de ser consensual.

A Associação de Rádio Norueguesa assegura que o país "não está preparado para isto", e que "há milhões de noruegueses que só conseguem ouvir rádio FM nas suas casas". Opinião contrária tem o governo, que se diz "confortável" com a decisão e acredita que o país "está preparado para o futuro digital".

O desligamento analógico tornou inutilizáveis mais de 20 milhões de recetores analógicos instalados em cerca de 2,3 milhões de automóveis. Para converter esses aparelhos para a tecnologia DAB (Digital Audio Broadcasting), cada proprietário terá de desembolsar entre 100 e 200 euros. Apesar das críticas, o DAB não é absolutamente novo no Noruega. Desde 1995 que os dois sistemas, analógico e digital, coexistem pacificamente.

E se Portugal acabasse com o FM? O que aconteceria? Para o presidente da Associação Portuguesa de Radiodifusão (APR), "seria a ruína do setor". José Faustino acha que isso "não será possível nos próximos dez anos". "Se as rádios locais mal têm dinheiro para sobreviver, como é que conseguiriam investir o que é necessário para adquirir equipamentos digitais?", questiona.

O diretor técnico da TSF partilha a visão negra do cenário: "Provavelmente "seria o fim da rádio". "Não temos condições para fazer uma transição dessas", explica ao DN Alberto Santos, que considera, contudo, que a migração do analógico para o digital na rádio não passa pelo DAB, que "está moribundo". "Aliás, essa experiência já se viveu em Portugal e com os resultados que se sabem."

A experiência começou em 1998 conduzida pela RDP, que montou uma rede de emissores DAB, que estreou durante a Expo"98. O sonho terminou em 2011. Confrontada com a necessidade de redução de custos, a administração da RTP, então liderada por Guilherme Costa, optou por desligar o sistema DAB invocando os elevados custos de manutenção e a pouca aceitação que o sistema teve junto dos portugueses.

"Os portugueses têm medo do sucesso e da inovação, sobretudo quando ela é de grande escala", diz Francisco Mascarenhas, à época diretor técnico da RDP, para quem "em Portugal não existe uma cultura de risco", diz este engenheiro técnico, reformado da RDP desde 2009.

Apesar da tentativa falhada, o antigo diretor técnico da RDP acredita que "é difícil encontrar uma alternativa ao DAB". O atual homólogo da TSF, contudo, aponta outro caminho. "O caminho é ouvir rádio na internet. Basta um telemóvel para emparelhar no carro, via Bluetooth, e eu sou capaz de ir a ouvir a mesma rádio local, e com qualidade digital, em todo o país", explica.

Alberto Santos lembra que "a rádio é por definição o meio mais democrático de todos, porque tem o acesso mais fácil e disponível a todas as bolsas". Ora, insistir na tecnologia DAB, na opinião deste profissional, iria desvirtuar esta realidade, porque "seria necessário adaptar os atuais aparelhos de transmissão para a nova tecnologia".

O diretor técnico da TSF enfatiza, porém, a necessidade da "criação de um regime de exceção para as rádios nacionais no caso do tráfego de downloads". E exemplifica: "A Meo, por exemplo, vende os seus equipamentos já com o Meo Music, um serviço de música que pode estar 24 horas ligado que não gasta tráfego. Ora, se eu ouvir rádio no meu telemóvel, estou a consumir tráfego do meu plano de dados contratado. Num cenário de digitalização da rádio para a internet, os operadores tinham de disponibilizar um regime de exceção idêntico para as rádios nacionais. Só assim seria possível manter a rádio um meio democrático", reitera.

Para o responsável pela área de radiodifusão da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), o que está a emperrar a migração da rádio para o digital em Portugal "é a ausência de perceção de ganhos reais, quer para os operadores quer para os ouvintes". "Nos dias de hoje, as pessoas ouvem rádio maioritariamente nos carros e a qualidade do FM é tida como boa. Tem de haver algo mais para que uma transmissão rádio digital seja entendida como fundamental", explica ao DN Miguel Henriques.

O presidente da APR afina pelo mesmo diapasão. "Sejamos francos: para quem ouve rádio no dia--a-dia, a melhoria não é assim tão significativa", diz ao DN. José Faustino acrescenta que "não é só em Portugal que o DAB está morto. Também não evoluiu noutros países, só agora é que ressuscitou na Noruega". O dirigente da APR, associação que congrega cerca de 180 emissoras nacionais e locais, acredita que "se se fizer uma sondagem, nenhum português sabe o que é a tecnologia DAB".

O responsável da Anacom partilha da ideia. Miguel Henriques admite que a Anacom, enquanto entidade gestora do espaço radioelétrico, "tem várias redes de DAB planeadas". O problema, aponta, "é que essas redes não têm capacidade para albergar todas as rádios que emitem atualmente em FM". Por isso, defende, um dos caminhos possíveis para migrar a rádio para o digital seria fazer emitir as rádios nacionais e regionais em DAB e as rádios locais no sistema alternativo DRM + (Digital Rádio Mondiale). "Em qualquer dos casos, os rádios que vêm nos automóveis tinham de ter este tipo de recetores", algo que, sustenta, "não seria caro para a indústria automóvel".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

As culpas de Sánchez no crescimento do Vox

resultado eleitoral do Vox, um partido por muitos classificado como de extrema-direita, foi amplamente noticiado em Portugal: de repente, na Andaluzia, a mais socialista das comunidades autónomas, apareceu meio milhão de fascistas. É normal o destaque dado aos resultados dessas eleições, até pelo que têm de inédito. Pela primeira vez a esquerda perdeu a maioria e os socialistas não formarão governo. Nem quando surgiu o escândalo ERE, envolvendo socialistas em corrupção, isso sucedera.

Premium

João Taborda da Gama

Nunca é só isso

Estou meses sem ir a Coimbra e numa semana fui duas vezes a Coimbra. Até parece uma anedota que havia, muito ordinária, que acabava numa carruagem de comboio com um senhor a dizer vamos todos para Coimbra, vamos todos para Coimbra, mas também não me lembro bem e não é o melhor sítio para a contar mesmo que me lembrasse. Dizia que fui duas vezes a Coimbra numa semana, e das duas encontrei pessoas conhecidas de que não estava à espera, no comboio, no café, na rua. Duas coisas que acontecem cada vez menos, as pessoas contarem anedotas umas às outras, muito menos ordinárias, que não se pode, e encontrarem-se por acaso, que não acontece. E não se encontram por acaso, porque mais dificilmente se desencontram. Para encontrar é preciso desencontrar, e quando o contacto é constante, quando a aparência de acompanhamento da vida do outro rodeia tudo o que fazemos, é difícil sentir o desencontro.

Premium

Ruy Castro

Uma multidão de corruptos injusta e pessoalmente perseguidos

Nenhum agente público no Brasil, nem mesmo o presidente da República, pode ganhar acima de 33 mil reais por mês. Isso equivale a pouco mais de oito mil euros - o que, para as responsabilidades de certas funções, pode ser considerado um salário modesto. Mas você ficaria surpreso ao ver como, no Brasil, esse valor ganha uma extraordinária elasticidade e consegue adquirir coisas que, em outros países, custariam muito mais dinheiro. Com ele, nossos políticos compram, por exemplo, redes inteiras de estações de rádio e televisão, prédios de 20 ou mais andares em regiões de proteção ambiental e edificação proibida e extensões de terra maiores do que a área de certos países europeus. É um fenómeno. Mais surpreendente ainda foi o que descobrimos esta semana. O governador do estado do Rio - cuja capital é a infeliz cidade do Rio de Janeiro -, Luiz Fernando Pezão, fez apenas 11 saques em suas contas bancárias de 2007 a 2014. Alguns desses saques eram no valor de três euros, o que lhe permitiria comprar no máximo um saco de pipocas, e nenhum acima de oitocentos euros. Por mais que Pezão pareça um sujeito humilde e desapegado, como se pode viver com tão pouco? Talvez tivesse dinheiro em espécie acumulado em algum lugar - quem sabe um cofre em sua casa ou mesmo o seu próprio colchão -, do qual fosse retirando apenas o suficiente para seus alfinetes. Não por acaso, a Polícia Federal prendeu-o na semana passada, acusando-o de ter recebido o equivalente a dez milhões de euros de propina, naquele período em que ele era vice-governador do então titular Sérgio Cabral - que, por sua vez, está condenado por enquanto a 197 anos de prisão por corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Cabral é acusado também de ter cerca de 85 milhões de euros em depósitos fora do Brasil. Onde estarão os milhões de Pezão? E Michel Temer, dentro de 20 dias a contar de hoje, deixará de ser presidente do Brasil. No dia 1 de janeiro, uma terça-feira, passará a faixa presidencial a seu sucessor e perderá a imunidade que o impede de ser condenado por atividades ilícitas anteriores ao seu mandato. É quase certo que, já no dia seguinte, agentes da Polícia Federal baterão à sua porta em São Paulo, para levá-lo a explicar-se sobre as atividades ilícitas praticadas antes e durante o mandato. Explicações que ele terá dificuldade para dar, já que os investigadores parecem ter provas robustas de suas trampolinagens. E não se pense que tudo nessa turma se refere a milhões - uma inocente obra de reparos na casa de uma filha de Temer em São Paulo, "oferecida" por um empresário, indica um gesto de gratidão desse empresário por certa obra de vulto em que Temer, como presidente, o favoreceu. Nem toda a corrupção tem o dinheiro como fim. Ele pode ser também um meio - para se chegar ao mesmo fim. No caso do Brasil, foi o que prevaleceu nos últimos 15 anos: o desvio de dinheiro público para a manutenção do poder político, eternizando o desvio de dinheiro público. É uma equação diabólica, principalmente se maquiada de uma tintura ideológica - práticas de direita com um discurso de esquerda. E não se pense também que isso envolveu apenas os políticos. A Operação Lava-Jato, que está botando para fora os podres do país, condenou até agora 65 pessoas à prisão, das quais somente 13 políticos, num total de quase duzentas em fase de investigação ou já denunciadas. Entre estas, contam-se doleiros, operadores de câmbio, publicitários, lobistas, pecuaristas, irmãos, cunhados, ex-mulheres e "amigos" de políticos e carregadores de malas de dinheiro, além de funcionários, gerentes de serviço, executivos, tesoureiros, diretores, sócios-proprietários e presidentes de grandes empresas. Entre os presos ou investigados, estão também um ex-presidente da Câmara dos Deputados, um ex-presidente do Senado, vários ex-ministros de Estado (dos quais três ex-ministros da Fazenda), três ex-tesoureiros do Partido dos Trabalhadores, meia dúzia de altos funcionários da Petrobras, o ex-presidente do banco de desenvolvimento nacional, seis ex-governadores estaduais, os presidentes das quatro maiores empresas de construção civil do Brasil e quatro ex-presidentes da República. Um deles, Luiz Inácio Lula da Silva. Portanto, quando lhe falarem que o querido Lula está sofrendo uma perseguição pessoal e injusta, pense nos citados acima, tão injusta e pessoalmente perseguidos quanto ele.

Premium

Marisa Matias

O Christian, a Rosa e a rua

Quero falar-vos do Christian Georgescu, uma daquelas pessoas que a vida nos dá o privilégio de conhecer. Falo-vos com nome e apelido porque a história dele é pública. Nasceu em Bucareste, na Roménia, tem 40 anos e encontrou casa no Porto. Trabalhou desde cedo até que um dia lhe faltou comida na mesa. A crise no início dos anos 2000 e a necessidade de dar de comer à filha fizeram que decidisse entrar num mundo paralelo. A juntar a isso, começou a consumir drogas e foi preso. Quando saiu percebeu que tinha de ir para longe para mudar e veio para o Porto.