Stephen Hawking: as frases que ficam do homem que não tinha pressa de morrer

O astrofísico morreu esta quarta-feira, aos 76 anos

O famoso astrofísico britânico Stephen Hawking, que morreu hoje aos 76 anos, também era conhecido pelas suas observações filosóficas. Estas são algumas das suas citações ou declarações mais famosas:

Sobre o porquê da existência do universo:

"Se encontrarmos a resposta, seria o último triunfo da razão humana - nesse momento, saberemos o pensamento de Deus e conheceremos o espírito de Deus" (em "Uma Breve História do Tempo", publicada em 1988)

Sobre a sua doença:

"As minhas expectativas foram reduzidas para zero aos 21 anos. Tudo desde então é um bónus" (entrevista ao New York Times, em dezembro de 2004)

"Eu vivi cinco décadas mais do que os médicos haviam predito. Eu tentei fazer bom uso do meu tempo (...) Porque todos os dias pode ser o meu último, eu desejo tirar o máximo de cada minuto" (no documentário "Hawking", 2013)

Sobre Deus:

"Não é necessário invocar Deus para acender o pavio e colocar o universo em movimento" (em "O Grande Projeto", publicado em 2010)

Sobre a celebridade:

"A desvantagem da minha celebridade é que eu não posso ir a qualquer lugar sem ser reconhecido. Não serve de nada usar óculos de sol e uma peruca. A cadeira de rodas trai-me" (entrevista na televisão israelita, dezembro de 2006)

Sobre os intelectuais que se gabam

"As pessoas que se vangloriam do seu QI são perdedoras" (entrevista no New York Times, dezembro de 2004)

Sobre a perfeição:

"Sem imperfeição, você e eu não existiríamos" (no documentário "Into The Universe", no Discovery Channel, 2010)

Sobre a vida extraterrestre:

"Se os extraterrestres nos visitarem um dia, acho que o resultado será semelhante ao que aconteceu quando Cristóvão Colombo desembarcou na América, resultado que não é realmente positivo para os índios" (no documentário 'Into The Universe', no Discovery Channel, 2010)

Sobre a inteligência artificial:

"As formas primitivas de inteligência artificial já provaram ser muito úteis, mas acho que o desenvolvimento de uma inteligência artificial completa pode acabar com a raça humana" (em declarações à BBC, dezembro de 2014)

Sobre a morte:

"Eu vivo com a perspetiva de uma morte precoce há 49 anos, não tenho medo da morte, mas não tenho pressa de morrer, há tantas coisas que eu quero fazer primeiro" (entrevista ao The Guardian, maio de 2011)

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.