Nos últimos cinco anos 52 reclusos fugiram das cadeias

Esta madrugada três detidos preventivos conseguiram escapar da prisão de Caxias através da janela da cela

Nos últimos cinco anos fugiram 52 reclusos das cadeias portuguesas, tendo esta madrugada ocorrido a primeira evasão de 2017, com três detidos em fuga do estabelecimento prisional de Caxias.

Dados divulgados hoje pela Direção-geral de Reinserção e Serviços Prisionais após a fuga de três reclusos presos preventivamente em Caxias, Concelho de Oeiras, indicam que no ano passado ocorreram cinco operações de fuga que envolveram seis reclusos e que em 2015 fugiram dois presos das cadeias portuguesas.

Em 2014 evadiram-se 11 reclusos, em 2013 registaram-se sete evasões num total de nove evadidos e em 2012 verificaram-se 14 evasões com 23 reclusos.

A direção-geral sublinha que todos os reclusos evadidos nos últimos cinco anos, à exceção dos desta madrugada em Caxias, foram recapturados.

Após a fuga de hoje de três homens de Caxias, a DGRSP emitiu uma nota na qual explica que os reclusos conseguiram fugir a partir da janela da cela, ocupada por quatro detidos e que estavam presos preventivamente por furto e roubo.

De imediato, segundo a nota, foi instaurando um processo de averiguações, a cargo do Serviço de Auditoria e Inspeção da Direção Geral.

O estabelecimento prisional de Caxias, situado no concelho de Oeiras, é classificado como de segurança alta e está vocacionado essencialmente para reclusos preventivos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.