Nobel da Física vai para estudo de ondas gravitacionais

O Nobel da Física de 2017 distinguiu os cientistas Rainer Weiss, Barry C. Barish e Kip S. Thorne pelo seu "contributo decisivo" na deteção e "observação das ondas gravitacionais".

O Comité Nobel sueco distinguiu o alemão Rainer Weiss, de 85 anos, e os americanos Barry C. Barish, de 81 anos, e Kip S. Thorne, de 77 anos, pelo seu estudo e "observação das ondas gravitacionais". Um trabalho que permitiu "finalmente a sua captura" e compreensão.

Para o Comité Nobel "está-se perante algo totalmente novo e diferente, que abre mundos até agora insuspeitos".

A observação das ondas gravitacionais ocorreu em 2015 pela primeira vez. No ano seguinte, em fevereiro, foi anunciado ter sido gravado o som de ondas gravitacionais resultantes de um colisão de dois buracos negros a mil milhões de anos de luz - a primeira evidência direta da sua existência. E também a confirmação da natureza dos buracos negros.

"Um sem fim de descobertas estão agora ao nosso alcance" após terem sido, finalmente, "capturadas as ondas e entendidas as suas mensagens", refere o texto a justificar a atribuição do prémio.

O conceito de ondas gravitacionais foi inicialmente formulado por Albert Einstein, ele próprio distinguido com o Nobel da Física em 1921.

Weiss, Barish e Thorne, em colaboração com um outro cientista, Ron Drever, falecido em 2016, estão na origem do projeto LIGO (Laser Interferometer Gravitationa-wave Observatory, Observatório Interferómetro Laser de Ondas Gravitacionais) que levou à descoberta agora distinguida.

O anúncio sucedeu em Estocolmo e segue-se ao verificado na segunda-feira em que se ficaram a conhecer os distinguidos na área da Medicina.

Leia aqui o comunicado do Comité em inglês.

Na história do Nobel da Física, o prémio foi atribuído duas vezes à mesma pessoa, ao americano John Bardeen. A primeira vez em 1956, com William Shockley e Walter Brattain, pela invenção do transistor, e em 1972, com Leon Cooper e Robert Schrieffer, pela elaboração da teoria da supercondutividade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.