NASA faz "visita guiada" à lua em ultra-alta definição

A imagem acima, que compara a resolução do vídeo de há seis anos e do atual, ilustra a diferença na resolução

Seis anos depois de nos ter levado numa visita virtual à Lua, com imagens captadas pelo Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO), a agência espacial norte-americana volta a oferecer a mesma visita guiada, mas agora em ultra-alta definição (4K).

Crateras de impacto, planaltos e planícies e os polos - a animação de cinco minutos mostra algumas das características mais conhecidas e estudadas da Lua, bem como pedaços mais difíceis de captar.

Uma das primeiras paragens nesta viagem é a cratera Orientale, do tamanho do Texas, e uma das estruturas de impacto melhores preservadas na superfície lunar.

É possível observar também a cratera Shackleton, no Polo Sul, que como está permanentemente na sombra (já que a inclinação do eixo da lua é mínima), regista algumas das temperaturas mais baixas já medidas no sistema solar. Vários instrumentos do LRO encontraram aqui provas de que existe água em estado sólido.

Ainda no Polo Sul, é possível ver a Aitken Bacin, a maior bacia e mais velha de impacto da Lua, com 2200 km de diâmetro - a 96 km/h seriam precisas 22 horas para a atravessar. Estes seria um dos pontos mais favoráveis para a aterragem numa nova missão à Lua, por exemplo. Aliás, os dados do LRO serão fundamentais para novas missões tripuladas à Lua.

Para saber mais sobre o vídeo, a NASA disponibilizou um guia aqui.

Exclusivos