Mulher morre depois de tratamento com picada de abelhas

A apiterapia ganhou adeptos depois de ter sido recomendada pela atriz Gwyneth Paltrow como sendo um tratamento eficaz nas dores do corpo e inflamações

Uma mulher de 55 anos morreu depois de se ter submetido a um tratamento similar à acupuntura mas que, em vez de agulhas, utiliza picadas de abelhas vivas.

A espanhola, cuja identidade não foi revelada, não resistiu a uma complicação severa após o tratamento que vinha a desenvolver havia dois anos.

Depois de uma picada, a paciente teve uma reação alérgica e começou a sentir dificuldade em respirar, acabando por desmaiar. Morreu semanas depois de complicações associadas a um derrame cerebral provocado pela falta de oxigenação no cérebro.

"Este é o primeiro caso conhecido de morte por apiterapia devido a complicações de uma anafilaxia grave num paciente sensível que era, até aí, tolerante", escrevem os alergologistas espanhóis que tentaram salvar a paciente no Hospital Universitário Ramón e Cajal, em Madrid, os quais posteriormente assinaram o artigo científico sobre a terapia, que foi publicado no Journal of Investigational Allergology and Clinical Immunology.

"Uma tolerância prévia às picadas de abelha não impede obrigatoriamente que possam posteriormente surgir reações de hipersensibilidade", avançam.

O tratamento com veneno das abelhas é antigo, mas tornou-se popular quando a atriz norte-americana Gwyneth Paltrow assumiu usá-lo como recurso contra inflamações, dores no corpo, nas articulações e contra o stress.

Porém, segundo o artigo escrito pelos alergologistas espanhóis citado acima, não existem estudos científicos que garantam a fiabilidade da terapia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.