Mulher morre depois de tratamento com picada de abelhas

A apiterapia ganhou adeptos depois de ter sido recomendada pela atriz Gwyneth Paltrow como sendo um tratamento eficaz nas dores do corpo e inflamações

Uma mulher de 55 anos morreu depois de se ter submetido a um tratamento similar à acupuntura mas que, em vez de agulhas, utiliza picadas de abelhas vivas.

A espanhola, cuja identidade não foi revelada, não resistiu a uma complicação severa após o tratamento que vinha a desenvolver havia dois anos.

Depois de uma picada, a paciente teve uma reação alérgica e começou a sentir dificuldade em respirar, acabando por desmaiar. Morreu semanas depois de complicações associadas a um derrame cerebral provocado pela falta de oxigenação no cérebro.

"Este é o primeiro caso conhecido de morte por apiterapia devido a complicações de uma anafilaxia grave num paciente sensível que era, até aí, tolerante", escrevem os alergologistas espanhóis que tentaram salvar a paciente no Hospital Universitário Ramón e Cajal, em Madrid, os quais posteriormente assinaram o artigo científico sobre a terapia, que foi publicado no Journal of Investigational Allergology and Clinical Immunology.

"Uma tolerância prévia às picadas de abelha não impede obrigatoriamente que possam posteriormente surgir reações de hipersensibilidade", avançam.

O tratamento com veneno das abelhas é antigo, mas tornou-se popular quando a atriz norte-americana Gwyneth Paltrow assumiu usá-lo como recurso contra inflamações, dores no corpo, nas articulações e contra o stress.

Porém, segundo o artigo escrito pelos alergologistas espanhóis citado acima, não existem estudos científicos que garantam a fiabilidade da terapia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.