Mortes por doença pulmonar obstrutiva crónica diminuíram 20% em dez anos

As mortes nos hospitais públicos reduziram significativamente, o que pode ser uma consequência da melhoria dos cuidados de saúde prestados, segundo os investigadores

Uma equipa de investigação da Faculdade de Medicina do Porto e do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde concluiu que as mortes por Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) ocorridas nos hospitais nacionais diminuíram 20% em dez anos.

De acordo com informação disponibilizada hoje à Lusa pelos investigadores, o número de mortes caiu de 9,3% para 7,5%, um resultado que surpreendeu os cientistas que o interpretam como uma consequência da melhoria dos cuidados de saúde prestados no país, embora não excluam outros fatores.

Os autores do estudo verificaram também que existe uma tendência crescente para classificar a causa das hospitalizações como sendo pneumonia em vez de DPOC, "o que pode contribuir para o desproporcionado número de internamentos por pneumonia em Portugal (cerca de 50 mil/ano), fazendo desta patologia uma das principais causas de hospitalização e de mortalidade no nosso país".

O estudo foi publicado na revista científica Respiratory Medicine e teve como objetivo analisar a admissão hospitalar, a duração do internamento e a mortalidade dos doentes com DPOC internados nos hospitais portugueses, entre 2000 e 2010.

Os dados referiam-se aos hospitais públicos (onde ocorrem cerca de 85% dos internamentos) e foram cedidos pela Administração Central de Sistemas de Saúde (ACSS).

"A análise revelou que durante o período em estudo ocorreram 123 mil admissões hospitalares por agudizações de doença respiratória obstrutiva, estando mais de 80% dos casos relacionados especificamente com DPOC", refere Rafael Vieira, estudante de Medicina e investigador.

Segundo este investigador, em média, foram efetuadas 80 hospitalizações por 100 mil habitantes com mais de 18 anos, no seguimento de exacerbações por DPOC. Se somarmos à DPOC outras doenças respiratórias obstrutivas, como a asma e a bronquiectasia, o número de internamentos sobe para as 103 hospitalizações por 100 mil habitantes maiores de idade.

As admissões hospitalares por DPOC foram significativamente mais elevadas nos grupos de pacientes com mais de 70 anos e o tempo médio de admissão foi de oito dias.

A DPOC é uma patologia caracterizado pela limitação crónica do fluxo de ar, falta de ar (dispneia), tosse, pieira e aumento da produção de expetoração e é progressiva e debilitante.

Atualmente, é a quarta causa de morte em todo o Mundo, sendo que a Organização Mundial de Saúde estima que venha a ocupar o terceiro lugar até 2030.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.