Médico português na lista de personalidades mais influentes do mundo na saúde

O oftalmologista português João de Deus integra uma lista das 100 personalidades "mais influentes da saúde a nível mundial" e foi o único português a receber um prémio de personalidade da saúde mais influente internacionalmente.

O galardão de "Personalidade Mais Influente do setor da Saúde" na categoria 'Associações e Federações' foi entregue a João de Deus pelo grupo editorial brasileiro "Grupo Mídia", que tem várias publicações especializadas na área da saúde, segundo uma informação divulgada pela Ordem dos Médicos.

João de Deus é membro do Conselho Nacional da Ordem dos Médicos e presidente da Associação Europeia dos Médicos Hospitalares e no próximo ano vai coordenar na Europa a criação de uma academia na área da certificação e formação em liderança clínica.

Em declarações à Lusa, João de Deus explicou que um dos objetivos desta academia europeia é "tornar os médicos líderes não apenas tecnicamente, mas também do ponto de vista da gestão e liderança de equipas".

A ideia seria ainda criar uma certificação europeia em liderança dirigida especialmente para clínicos.

Além da área da liderança, João de Deus destacou-se igualmente pelo trabalho desenvolvido quanto à transferência de tarefas médicas para outros profissionais de saúde ('task shifting'), tendo desenvolvido vários estudos sobre esta temática.

O médico considera que esta transferência de competência, iniciada como experiência nalguns países, "comporta riscos" e pode levar à "diminuição da qualidade dos cuidados prestados aos doentes".

"As experiências de transferências de tarefas não têm sido propriamente positivas", afirmou à Lusa, sublinhando a necessidade de coordenação e supervisão médica nas equipas.

O oftalmologista admite ter ficado surpreendido com a atribuição de um dos prémios nas 10 categorias das 100 personalidades mais influentes do mundo, distinção que recebeu no mês passado, na Alemanha.

"É a distinção de todo o trabalho de uma equipa, tanto na Associação Europeia dos Médicos Hospitalares como na Ordem dos Médicos", afirmou.

João de Deus foi membro da direção da Ordem dos Médicos entre 1999 e 2010 e integra, desde o início do ano, o Conselho Nacional da Ordem. Além da carreira hospitalar, é professor na Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Lisboa e fez parte do Comité Permanente dos Médicos Europeus (CPME) e do Secretariado Nacional do Sindicato Independente dos Médicos (SIM).

Esta primeira edição mundial do 'Prémio 100 Mais Influentes da Saúde' foi organizada pelo grupo editorial brasileiro Grupo Mídia, que detém várias publicações especializadas na área da saúde.

João de Deus é o único português no 'top 10' dos "100 Mais Influentes do setor da Saúde", premiados em 10 categorias: Associações e Federações, Negócios, Indústria, Inovação, Hospitais, Educação e Investigação, Referência, Gestão, Filantropia e Sustentabilidade.

Entre os "100 Mais Influentes" surgem nomes como Melinda Gates, copresidente da Fundação Bill & Melinda Gates (na categoria Referência), ou Yoshinori Ohsumi, Nobel da Medicina de 2016 (categoria Educação e Investigação), segundo uma nota da Ordem dos Médicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.