"Risco de os intelectuais serem substituídos pelas redes sociais ameaça as democracias"

Mau uso das redes sociais ameaça os intelectuais e a democracia, diz Augusto Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros português disse hoje, durante uma visita oficial ao Brasil, que o mau uso das redes sociais ameaça os intelectuais e a natureza da Democracia.

"Há mesmo um risco de os intelectuais serem substituídos pelas redes sociais e nós temos que considerar este risco possível como uma ameaça a natureza das nossas democracias", disse Augusto Santos Silva, numa conferência na Universidade de São Paulo (USP), uma das mais renomadas instituições de pesquisa e Ensino Superior do Brasil.

Convidado para participar no debate "Conhecimento, informação e ação política: estão os intelectuais a ser substituídos pelas redes sociais?", o ministro português disse que "o populismo e a desinformação disseminados pelas 'fake news' (notícias falsas) são grandes ameaças à polícia e a sociedade".

"Olhando primeiro para o populismo como cultura política que está a crescer na Europa e na América do Norte, é preciso considerar que ele se caracteriza pelo antielitismo, mas acima de tudo pelo antipluralismo e por um apelo a abordagem moralista e emocional da política. Essa concepção está a colocar em causa o pluralismo que construiu as democracias", explicou.

Sobre as notícias falsas, Augusto Santos Silva avaliou que estas alimentam o crescimento da desinformação já que têm três traços preocupantes: a indistinção entre informação e propaganda, a não separação de notícias e boatos e também a junção da apresentação dos factos com as opiniões.

"Esta tendência que se vê muito nas redes sociais também está a contaminar os nossos media tradicional e traz consigo a ideia de que podemos ser menos rigorosos na apuração dos factos e que os mecanismos de apuração podem ser dispensados (...). Tudo isto constitui uma ameaça à Democracia e a função dos intelectuais", ponderou.

Apesar das críticas que fez ao mau uso das redes sociais, Augusto Santos Silva foi enfático ao reconhecer a função destas na sociedade contemporânea.

"As redes sociais existem, as novas tecnologias de informação e plataformas de comunicação existem, continuarão a existir e serão ainda mais eficazes e presentes na nossa vida privada e social. Este é o nosso presente e o nosso futuro. O modelo de comunicação que elas permitem é positivo e muito poderoso", disse.

O ministro salientou que uma forma de combater os desvios causados por o mau uso das redes sociais é convocar os intelectuais a fazerem uma ampla defesa da razão e do debate no ato de comunicação.

"Hoje, entendemos que a razão é dada pela troca de argumentos. A razão não é uma verdade revelada (...). Outro antidoto [contra o mau uso das redes sociais] é a defesa da mediação e das instituições", destacou, acrescentando: "Uma alternativa [que temos] é reafirmar a função dos intelectuais, sustentando que é preciso mais pesquisas, mais conhecimento (...). Precisamos de jornalismo e de intelectuais atuando nas redes sociais. Isto significará uma utilização muito mais capaz delas".

O Ministro dos Negócios Estrangeiros português está em São Paulo, onde também participou da cerimónia de entrega da Ordem do Mérito Empresarial da República Portuguesa ao presidente da EDP Brasil, Miguel Setas, visitou o local onde funcionará a primeira escola portuguesa do Brasil e encontrou-se com representantes da comunidade luso-brasileira.

Na sexta-feira, Augusto Santos Silva seguirá para o Rio de Janeiro, onde terá uma série de reuniões oficiais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.