Martim Moniz poderá vir a centralizar todos os transportes turísticos

Vereador para o Urbanismo da Câmara Municipal de Lisboa, Manuel Salgado, diz que hipótese está a ser estudada

O vereador para o Urbanismo da Câmara Municipal de Lisboa, Manuel Salgado, informou hoje estar em estudo a centralização de transportes turísticos, incluindo autocarros e 'tuk tuk', no Martim Moniz, para evitar a destruição de património.

"Fazer um ramo do transporte turístico no Martim Moniz, retirando-o da Baixa: os autocarros de Turismo, os 'tuk tuk' e ser ali um centro, aproveitando as escadas rolantes que estamos a fazer de acesso ao Castelo e evitar que as camionetas de turistas passam em frente à Sé e destruam o património para chegar ao Castelo, são medidas que estamos a estudar", afirmou Manuel Salgado.

Estas afirmações foram feitas durante a conferência "Observatório: O Imobiliário em Portugal", organizada em Lisboa, pelo Jornal de Negócios e imobiliária Century 21, depois de o autarca admitir um conflito entre o alojamento local e a habitação permanente.

O autarca enumerou algumas medidas que podem servir como solução, como "descentralizar polos de atratividade".

"Por exemplo, constituir um importante polo de atração na zona do Lumiar, juntando o Museu do Teatro com o Museu do Traje e com visita a zonas que são extremamente interessantes do ponto de vista patrimonial, como é o Paço do Lumiar, é um desafio", afirmou o autarca, referindo, ainda, a possibilidade de uma aposta na Praça de Espanha, com a Fundação Calouste Gulbenkian como âncora e na zona oriental ribeirinha.

A hipótese de desviar transportes turísticos para o Martim Moniz é, assim, também incluída na lista de medidas possíveis para "atenuar os conflitos, melhorar a qualidade de vida na cidade de Lisboa, tanto para os residentes, como para quem visita" a capital, resumiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."