Mais de 80% dos jovens adultos portugueses são a favor da eutanásia

Mais de 80% dos portugueses entre os 18 e os 34 anos são a favor da eutanásia e querem que os homossexuais tenham tratamento igual nos direitos de família, revela um estudo sobre a 'Geração Millennium'.

A forma de agir e pensar destes jovens adultos portugueses é muito semelhante à dos espanhóis, franceses, ingleses e norte-americanos, segundo o estudo "All About Geração Millennium", realizado pela CH Consulting, que integra o Projeto Empreender 2020 - Regresso de uma Geração Preparada (Jovens Emigrantes Qualificados), da Associação Empresarial Portuguesa.

"Apontada como uma geração mentalmente aberta, curiosa e tolerante", os investigadores quiseram conhecer melhor os 'millennials', tendo para isso comparado as atitudes e opiniões desta geração em cinco países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e inquirido cinco mil pessoas entre janeiro e março deste ano.

Mais de 80% estão de acordo com a regulamentação da eutanásia: em Portugal são 87,5% e em França este é um tema que consegue quase a unanimidade (98,5%).

A grande maioria dos 'millennials' portugueses defende que os homossexuais devem ter um tratamento de igualdade em todos os Direitos de Família (82,4%) e que a Interrupção Voluntária da Gravidez deve manter-se como uma opção legal (84,3%), mostra o estudo.

Sobre o estilo de vida, os portugueses costumam experimentar restaurantes de cozinha do mundo (45,1%) e consideram-se financeiramente independentes (59,6%), sendo que nove em cada dez dizem fazer poupanças.

A maioria vive com familiares ou amigos e um em cada quatro não tenciona sair de casa dos pais nos próximos cinco anos, período em que acreditam que os seus rendimentos aumentem de forma significativa (83,4%).

Os portugueses continuam a ser os que mais querem comprar casa, mas, comparando com as gerações anteriores, este deixou de ser um projeto de vida: apenas quatro em cada dez têm esse plano.

Esta geração distingue-se também das restantes por estar mais aberta a comprar produtos em segunda mão: os portugueses ainda são os menos recetivos, mas, mesmo assim, 71,1% preferem um produto usado em bom estado a um novo.

Quase metade assume que os amigos exercem influência no momento de fazer compras e fazer compras 'online' já é uma tendência (ronda os 80%).

Comprar um produto de luxo ou alta-costura começa também a ser normal: entre os europeus inquiridos, os portugueses são os que mais o fazem (23%).

Esta geração otimista acredita que irá alcançar maior sucesso profissional do que os pais (79% dos portugueses) e que irá viver mais anos do que os seus progenitores (71,6%).

Conhecidos por serem os que têm mais formação académica de sempre, a maioria diz gostar do seu trabalho (em Portugal são 62,8%), mas apenas um em cada três conseguiu realizar um estágio remunerado.

A maioria dos inquiridos gasta entre uma a três horas por dia a navegar na internet (em Portugal são 46,9%) com exceção dos norte-americanos onde um em cada quatro jovens adultos está mais de cinco horas ligado (26,5%).

Os 'millennials', também conhecidos como Geração Y, representam 25% das pessoas em todo o mundo e, em Portugal, são cerca de dois milhões (19,2% da população).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?