Jovem encontrado morto em Montemor-o-Velho tinha lesões na cabeça

Leonardo Queda foi encontrado morto na cama no domingo de manhã. Na noite anterior tinha estado envolvido numa rixa

A autópsia ao jovem de 18 anos que foi encontrado morto no domingo de manhã, na cama, pela família, revelou lesões no crânio que podem ter sido causadas por traumatismos. Ainda que se trate apenas de um relatório preliminar da autópsia, as lesões podem indicar que houve agressão, mas serão necessários exames complementares para o provar.

Leonardo Queda, de 18 anos, esteve na noite de sábado nas festas de Montemor-o-Velho, onde terá estado envolvido numa rixa. Segundo o Jornal de Notícias , regressou a casa, em Santo Varão, pelo próprio pé, mas foi encontrado sem vida na manhã seguinte.

Caso a autópsia prove que a causa da morte foram as lesões no crânio, a PJ terá de identificar todos os envolvidos na rixa, explicou ao JN fonte policial, revelando que a tarefa não será fácil. Por outro lado, assinala o JN, mesmo que sejam constituídos quaisquer arguidos, a acusação mais provável nesta situação é a de crime de ofensa à integridade física que, pelo resultado de morte, pode representar uma pena superior a dez anos de prisão.

O Código Penal prevê igualmente o crime de "participação em rixa", que em caso de morte pode ser punido com pena de prisão até dois anos ou pena de multa até 240 dias.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.