Presidente da Liga de Bombeiros acusa proteção civil de ter reduzido meios de combate

"O país está a passar por uma situação gravíssima de destruição florestal", afirmou Jaime Marta Soares

O presidente da Liga de Bombeiros Portugueses (LBP), Jaime Marta Soares, acusou este domingo as autoridades de proteção civil de terem reduzido os meios de combate aos incêndios, quando se antecipava um mês de risco.

"O país está a passar por uma situação gravíssima de destruição florestal" afirmou hoje nas Caldas da Rainha Jaime Marta Soares, lamentando que não tenha havido "um planeamento como devia ser", nem "uma prevenção estratégica", depois de a Liga dos Bombeiros Portugueses ter alertado que "não pode existir uma 'décalage' tão grande da fase Charlie e a fase Delta".

Em causa está a redução de "85% dos meios [humanos e materiais] de combate" aos incêndios na passagem da fase Charlie para a fase Delta, determinado pela Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), quando a Liga defendia somente uma redução "entre os 30 e 40 por cento".

A fase Charlie de combate aos fogos terminou a 30 de setembro e a fase Delta dura o mês de outubro.

Porém, apesar dos alertas, "o país está arder, os incendiários estão à solta" e "os responsáveis têm que prestar contas", acusou Jaime Soares

Nas Caldas da Rainha, onde hoje apresentou a sua candidatura a um terceiro mandato à frente da LBP, Jaime Marta Soares apontou o dedo ao comando da ANPC e "ao Governo que o nomeia", desafiando "cada um a fazer a leitura das suas responsabilidades" perante "o autismo absolutamente censurável" e a "preocupação economicista" num país onde "há [dinheiro] para tudo menos para as estruturas de proteção civil".

Certo de que, no combate aos incêndios que este verão assolaram o país, "os bombeiros cumpriram a sua missão" e de que, se falhas houve, se devem "ao comando que tem saído da ANPC ", Jaime Marta Soares defendeu a alteração da organização daquela estrutura e a implementação de uma direção nacional de bombeiros autónoma, independente e com orçamento próprio.

Além de uma estrutura autónoma de comando, Marta Soares defende a independência das associações de bombeiros face ao poder político, a revisão da lei do financiamento das associações e um aumento do Fundo de Proteção Social do Bombeiro, entre outras medidas que integram o plano de ação da lista que lidera.

Jaime Marta Soares candidata-se a um terceiro mandato à frente da LBP, defrontando o comandante José Barreira Abrantes nas eleições para os órgãos sociais que se realizam durante o 43.º congresso nacional da Liga dos Bombeiros Portugueses, que vai decorrer entre 27 e 29 de outubro, em Fafe.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.