Imagens de drone mostram "arquitetura do apartheid"

"Olhando para baixo de uma altura de centenas de metros, emergem cenas de desigualdade", escreve o fotógrafo

De um lado bairros bem organizados, casas com jardins e algumas piscinas. Do outro casas que parecem ter surgido ao acaso, sem planeamento, umas em cima das outras. As imagens, que fazem parte de um projeto de um fotógrafo norte-americano, mostram bem como as divisões e desigualdade que persistem na África do Sul se espelham no território

As fotografias são de Johnny Miller, que chegou à Cidade do Cabo em 2012, para fazer um mestrado em Antropologia, e se interessou pela "arquitetura da cidade, especificamente pela forma como esta foi estabelecida durante o apartheid". E pela forma como sobrevive hoje em dia.

Miller dá um exemplo: "Existem grandes zonas tampão que foram criadas para manter os diferentes grupos raciais separados", explica ao DN. Com esse conhecimento e com a ajuda de um drone decidiu ganhar uma nova perspetiva, que mostra na série de fotografias Unequal Scenes. "Olhando para baixo de uma altura de centenas de metros, emergem cenas de desigualdade", escreve Miller no seu site.

A reação, quando começou a partilhar as imagens na internet, surpreendeu-o. "Acho que estão divididas mais ou menos a meio entre as positivas e as negativas." Somadas, convencem Miller que este é um projeto "poderoso e importante", que ajudou a tornar óbvio a necessidade de "pôr as pessoas a falarem umas com as outras, para tentar descobrir uma solução para uma situação que claramente não é defensável".

O próximo passo de Miller é ir para o terreno e completar a visão aérea com as histórias dos que vivem dos dois lados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...