Imagens de drone mostram "arquitetura do apartheid"

"Olhando para baixo de uma altura de centenas de metros, emergem cenas de desigualdade", escreve o fotógrafo

De um lado bairros bem organizados, casas com jardins e algumas piscinas. Do outro casas que parecem ter surgido ao acaso, sem planeamento, umas em cima das outras. As imagens, que fazem parte de um projeto de um fotógrafo norte-americano, mostram bem como as divisões e desigualdade que persistem na África do Sul se espelham no território

As fotografias são de Johnny Miller, que chegou à Cidade do Cabo em 2012, para fazer um mestrado em Antropologia, e se interessou pela "arquitetura da cidade, especificamente pela forma como esta foi estabelecida durante o apartheid". E pela forma como sobrevive hoje em dia.

Miller dá um exemplo: "Existem grandes zonas tampão que foram criadas para manter os diferentes grupos raciais separados", explica ao DN. Com esse conhecimento e com a ajuda de um drone decidiu ganhar uma nova perspetiva, que mostra na série de fotografias Unequal Scenes. "Olhando para baixo de uma altura de centenas de metros, emergem cenas de desigualdade", escreve Miller no seu site.

A reação, quando começou a partilhar as imagens na internet, surpreendeu-o. "Acho que estão divididas mais ou menos a meio entre as positivas e as negativas." Somadas, convencem Miller que este é um projeto "poderoso e importante", que ajudou a tornar óbvio a necessidade de "pôr as pessoas a falarem umas com as outras, para tentar descobrir uma solução para uma situação que claramente não é defensável".

O próximo passo de Miller é ir para o terreno e completar a visão aérea com as histórias dos que vivem dos dois lados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".