"Há bons argumentos para que o Estado invista mais no espaço"

Primeiro aterraram na Lua, evitando obstáculos no solo - tudo no computador. A ESA ficou interessada e decidiu financiar a fase seguinte do projeto. Francisco Câmara e Tiago Hormigo, dois dos fundadores da Spinworks e líderes do projeto, contam como foi chegar aqui

Como surgiu este projeto para a ESA?

Na sequência de outros em que desenvolvemos a tecnologia e demonstrámos que o sistema funcionava no computador. A ESA quis que levássemos a tecnologia à fase seguinte. Então criou este projeto e deu-nos acesso a computadores de bordo das futuras naves, que são muito mais limitados em velocidade e memória. Foi um desafio simplificar ao máximo o código e acelerá-lo para correr dentro dos tais dez segundos, que é o tempo disponível para processar os dados e tomar a decisão do local seguro para a aterrar.

Quando poderá o sistema voar numa missão?

Já não vamos a tempo da próxima missão europeia a Marte, em 2020. Mas a ESA está a planear uma missão à Lua, com a agência espacial russa, e há planos para incluir este sistema, em duas etapas. Numa primeira missão, que entretanto foi adiada e que já não será em 2020, é inserida uma caixa a bordo com uma câmara e um LiDAR [sistema de varrimento laser para obter imagens em 3D] só para fazer medições durante a descida. Numa segunda missão, dois ou três anos depois, já estará presente o sistema de deteção e desvio de obstáculos.

O sistema poderá então ser utilizado primeiro numa missão à Lua?

Há essa possibilidade.

Quando fundaram a empresa, em janeiro de 2006, qual era o panorama da indústria espacial em Portugal?

Havia muito poucas empresas portuguesas, ou sediadas em Portugal, nesta área. Portugal tinha aderido à ESA em 2000 e o espaço era um negócio embrionário.

Como avaliam a evolução deste setor no país?

Hoje, orgulhosamente, podemos dizer que há uma indústria espacial no país. É de muito pequena dimensão, pelas limitações da contribuição nacional para a ESA, que é da ordem dos 17 milhões de euros, mas o know-how cresceu muito nesta área em Portugal. O setor nacional só pode obter financiamentos na ESA, por concurso, até àquele limite, que depois na prática é mais baixo, da ordem dos 12 milhões de euros anuais. Mas a capacidade da indústria espacial nacional permitiria facilmente obter contratos num valor global do dobro ou do triplo disso. Portugal está hoje equipado para conseguir absorver contratos no valor total de 25 a 30 milhões de euros nesta área. Há, portanto, um bom argumento para que o Estado invista um pouco mais em espaço. Mas também é preciso dizer que durante o período mais crítico não houve redução de verbas nesta área, como noutros setores, o que foi bem pensado. Agora vamos ver se isto se inverte para podermos crescer.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.