Gelo da Antártica diminui a ritmo inferior ao calculado antes

Novo estudo internacional analisou a parte mais a norte do continente

O gelo da Península Antártica está a diminuir a um ritmo inferior ao que tinha sido calculado, segundo um novo estudo internacional sobre a parte mais a norte do continente da Antártida.

Uma equipa internacional de cientistas liderada pelo centro britânico de observação polar da Universidade de Leeds mediu pela primeira vez a evolução do fluxo de gelo e as mudanças de velocidade, reunindo informação de satélite sobre mais de 30 glaciares desde 1992.

Concluíram que entre 1992 e 2016, o fluxo da maior parte dos glaciares, as grandes massas de gelo daquela região, aumentou entre 20 a 30 centímetros por dia, equivalente a uma aceleração de 13 por cento na velocidade a que se deslocam.

Estes resultados, publicados hoje na revista Geophysical Research Letters divergem do mais recente estudo, feito pela Universidade de Bristol, que apontava um aumento anual de 45 quilómetros cúbicos de gelo, número revisto agora para cerca de 15 quilómetros cúbicos de gelo a fluírem anualmente para o mar.

Mas as medições feitas pelos cientistas de Leeds corroboram as observações gerais de que a região está a perder gelo devido ao aumento de fluxo dos glaciares, num processo conhecido como desequilíbrio dinâmico.

A principal autora do estudo, Anna Hogg afirmou que foi analisada a temperatura da água em frente dos glaciares que aceleraram mais e que esta é "relativamente quente e salgada" e consegue "derreter o gelo na base dos glaciares, o que reduz a fricção e lhes permite moverem-se mais livremente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.