EternalBlue. A ferramenta da NSA que foi usada nos ataques informáticos

Código desenvolvido pela agência secreta americana foi revelado ao mundo em abril

O "vírus" informático Wannacry, que esta sexta-feira está a atacar milhares de computadores em vários países da Europa, terá na base uma ferramenta de espionagem desenvolvida pela Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla inglesa) americana.

O código, designado EternalBlue, fez parte de um conjunto de programas das "secretas" americanas que foram revelados em abril pelo grupo de "piratas" informáticos Shadow Brokers, como noticia a Forbes.

O EternalBlue utiliza uma vulnerabilidade que existia nos sistemas operativos Windows que deixava transmitir o software malicioso - neste caso um "ransomware" que bloqueia o computador infetado até que seja introduzido um código - entre os computadores da mesma rede.

Quando o código foi divulgado, já a Microsoft tinha há cerca de um mês lançado uma correção para os seus sistemas que "tapava" essa vulnerabilidade.

Ao que tudo indica, os computadores afetados -- quase na totalidade de empresas ou serviços públicos -- não tinham nunca sido atualizados, estando assim vulneráveis.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.