Estudo alerta para bactérias escondidas nos panos de cozinha

Cerca de metade dos panos recolhidos, depois de um mês de utilização, tinham bactérias

Quão limpos estão os panos de cozinha que usamos para limpar louça e balcões? Um estudo da Universidade da Maurícia alerta para os fatores que aumentam os riscos de contaminação dos panos de cozinha.

Depois de analisar 100 panos que tinham sido usados durante um mês, os investigadores concluíram que a probabilidade de encontrar a bactéria E.coli aumenta quando se utiliza o mesmo pano para várias funções, como limpar a louça, enxugar balcões e as mãos.

Outros fatores, como o tipo de dieta - vegetariana ou carnívora -, e o tamanho da família também revelaram ter influência.

O estudo foi apresentado na reunião anual da Sociedade Americana de Microbiologia, em Atlanta. "O nosso estudo demonstra que a composição da família e as práticas de higiene na cozinha afetam a carga microbiana dos panos de cozinha", disse Susheela D Biranjia-Hurdoyal, que supervisionou o estudo, desenvolvidos pelos seus alunos.

"Também descobrimos que a dieta, tipo de utilização e a humidade nos panos de cozinha podem ser muitos importantes na promoção do crescimento de patogéneos responsáveis pelas intoxicações alimentares", concluiu.

Cerca de metade dos panos recolhidos, depois de um mês de utilização, tinham bactérias - destes, 36,7% tinham coliformes, 36,7% Enterococcus spp e 14.3% S. aureus.

Ou seja, manter os panos secos, usar panos diferentes para diferentes funções, mantê-los afastados de carne e lavá-los com mais frequência são cuidados importantes para que os panos que usamos para limpar não se tornem vetores de contaminação.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.