Em seis minutos, o Parlamento falou de 'chemtrails'

Apenas PSD, CDS-PP e PS falaram sobre a petição sobre os rastos dos aviões, para dizer que não há evidências científicas sobre a matéria

Mais de 4000 portugueses subscreveram uma petição sobre rastos deixados pelos aviões (chemtrails) nos céus, mas os deputados não pareceram muito dispostos a discutir o tema. Só se inscreveram para falar já depois de o tema ter sido aberto à discussão e apenas três das seis bancadas parlamentares falaram.

Deputados do PSD, CDS-PP e PS falaram para dizer que não há evidências científicas sobre este tema, mas aproveitaram para saudar a iniciativa dos peticionários, que defendem que os rastos deixados no céu pelos aviões são de químicos e não de vapor de água condensado.

A deputada social-democrata Emília Cerqueira lembrou que "este tema uns chamam teoria de conspiração, outros um problema ambiental, mas considerou que faz sentido esta discussão na Assembleia da República, porque também mostra que todos os cidadãos chegam à Assembleia da República e cada um tirará as suas conclusões porque não há evidências científicas".

Já o deputado centrista Álvaro Castelo Branco agradeceu apenas o contributo para a discussão deixado pela petição. "Um dos principais objetivos da petição era trazer um dos temas que preocupa estes cidadãos e por isso agradecemos a proposta."

O Partidos Socialista sublinhou que a discussão estava a acontecer no plenário porque a petição foi assinada por mais de 4000 cidadãos. O deputado João Torres sublinhou que o tema dos supostos rastos químicos dos aviões "não tem comprovação científica", mas aproveitou para falar das alterações climáticas (um dos efeitos descritos pelos peticionários como decorrentes também dos rastos químicos), matéria em que prometeu "rigor e seriedade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.