Dr. Morte apresenta 'Sarco', a máquina que o ajuda a morrer quando quiser

Foi a estrela de uma feira dedicada aos funerais, na Holanda. 'Sarco', diminutivo para sarcófago, permite uma morte consciente, calma e tranquila. A polémica está instalada: uns adoram, outros odeiam.

Foi a estrela de uma feira dedicada aos funerárias, na Holanda - a Exposição Funerária de Amesterdão -, e depressa correu mundo.

'Sarco', diminutivo para sarcófago, é uma cápsula impressa em 3D, desenhada pelo engenheiro holandês Alexander Bannink e pelo australiano Philip Nitschke, um conhecido ativista pela legalização da eutanásia que ganhou a alcunha de Dr. Morte.

"Eleger a altura em que se quer morrer e como, é um direito fundamental", defende.

Através de uns óculos de realidade virtual, os criadores de 'Sarco' permitiram aos visitantes da exposição terem uma experiência de "morte assistida"; eles perceberam o que sentia ao entrar numa máquina que, por nossa própria vontade, punha fim à vida.

Mas como funciona a máquina da morte?

Esta máquina é composta por um caixão destacável, o qual é colocado em cima de um suporte que contém um tanque com nitrogénio. A pessoa que quer morrer, aperta um botão e a cápsula é preenchida com o gás que, inalado em altas doses, é letal.

A morte chega em segundos. A princípio, "a pessoa vai sentir-se um pouco tonta, mas rapidamente perde a consciência e morre", explicou Nitschke à agência de notícias France Press.

Uma das cobaias disse ao britânico The Guardian como tinha sido a experiência de morrer virtualmente: "Foi realmente uma experiência e uma coisa estranha de se ver. Mas muito bonita e calma. Você vê a lua, você vê o mar. É muito calmo".

A máquina lançou a polémica e dividiu opiniões. Uns adoraram a possibilidade sã e tranquila que a máquina proporciona; outras acharam uma anormalidade; outros houve que não quiseram saber deste invento.

Este 'Sarco' apresentado é um protótipo. Nitschke conta querer criar a primeira capsula funcional ainda antes do final do ano.

Depois disso, o design será colocado on-line como um documento de código aberto para download.

O que "significa que qualquer pessoa que queira construir a máquina pode baixar os planos e imprimir em 3D seu próprio dispositivo", afirmou Nitschke.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.