Discussão "a Terra é plana": Tyson responde na televisão ao rapper B.o.B

Guerra de palavras começou quando um rapper começou a tentar provar no Twitter que a Terra é plana

Começou no Twitter, já teve direito a músicas e a discussão sobre a crença de um rapper que a Terra é plana chegou agora à televisão. A guerra de palavras entre o astrofísico Neil deGrasse Tyson e o rapper B.o.B continua com direito a destaque no Comedy Central, com Tyson a dar uma lição de ciência ao rapper, ficando a curiosidade se haverá resposta.

Bobby Ray Simmons, conhecido por B.o.B, é um rapper com alguns temas de sucesso, mas está a ganhar ainda mais fama por o que parece ser uma autêntica missão: provar que a Terra é plana. Através do Twitter tem partilhado várias "provas". E ninguém consegue convencê-lo que a Terra é redonda e até parece já ter vários seguidores da sua teoria.

Uma das pessoas que tenta mostrar a B.o.B que a Terra é mesmo redonda é Neil deGrasse Tyson, apresentador de Cosmos, programa da National Geographic. Depois de algumas respostas no Twitter, B.o.B acabou por até compor uma música, chamada Fatline, entretanto já tirada do Soundcloud. Com a ajuda do sobrinho, Tyson respondeu da mesma forma, com Flat to Fact.

Mas ontem a troca de palavras chegou à televisão. Neil deGrasse Tyson esteve no programa do Comedy Central The Nightly Show with Larry Wilmore, onde deu uma lição, ao estilo freestyle, a B.o.B. "Pequenas secções de uma superfície com curva larga parecerá sempre plana às pequenas criaturas que rastejam nela" foi uma das frases fortes que Tyson dirigiu ao rapper.

"Numa sociedade livre podes pensar o que quiseres. Se queres pensar que a Terra é plana, estás à vontade. Mas se pensares que a Terra é plana e tiveres influência sobre outros, como rappers com sucesso ou até candidatos presidenciais, então estar errado torna-se algo prejudicial à saúde, ao bem-estar e à segurança dos nossos cidadãos", disse Neil deGrasse Tyson.

O astrofísico acaba de forma simbólica: "Já agora, a isto chama-se gravidade." E larga o microfone.

Agora falta saber se B.o.B responde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.