Diabetes. Portugal tem dos melhores tratamentos do mundo. Falta prevenção

Cerca de 300 profissionais de saúde vão reunir-se para tentar criar pontes entre os saberes da diabetologia e da cardiologia. Um dos objetivos é diagnosticar e tratar melhor a diabetes, responsável por 30% dos internamentos por AVC

As pessoas com diabetes têm o dobro do risco de sofrer de doenças cardiovasculares, a principal causa de morte em Portugal, quando comparadas com a população em geral. Por isso, o país tem de atuar melhor nas medidas de prevenção e estar alerta para "diagnosticar sinais e sintomas" e "tratar precoce e intensivamente" a doença. Quem o diz é João Filipe Raposo, diretor clínico da Associação Protetora de Diabéticos de Portugal (APDP), que entre amanhã e sábado organiza o encontro "O Coração da Diabetes", no SUD Lisboa.

O evento contará com a presença de 300 profissionais de saúde de áreas relacionadas com a diabetes e as doenças cardiovasculares, como a endocrinologia, a medicina geral e familiar, a medicina interna e a cardiologia. "Vamos discutir uma das consequências maiores da diabetes, que é a mortalidade e morbilidade cardiovascular", adianta João Filipe Raposo.

A diabetes é responsável, atualmente, por cerca de 30% dos internamentos por enfarte e AVC. Além disso, corresponde "a uma mortalidade superior e mais dias de internamento, com consequências em termos de reabilitação e tratamentos necessários". No encontro, adianta o especialista em endocrinologia, a aposta "é discutir se este panorama - dos mais difíceis de mudar em Portugal e lá fora - pode ser alterado". João Raposo acredita que, "se houver colaboração entre as diferentes especialidades, é possível, com certeza, diagnosticar mais cedo a patologia cardiovascular e tratá-la de modo mais eficaz, evitando que chegue às últimas consequências, que são o internamento e a morte".

Os doentes diabéticos têm um risco de morte de causa vascular duas a três vezes superior ao da população sem diabetes. Destacando que Portugal tem dos "melhores tratamentos do mundo", o diretor clínico da APDP recorda que estes "são caros", o que "ameaça a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e, por outro lado, tem consequências para os doentes e para as suas famílias". Nesse sentido, o especialista propõe que Portugal melhore "a atuação nos comportamentos de prevenção". "O país tem de tratar melhor os fatores de risco, o que implica um melhor controlo da diabetes, dos níveis de colesterol e dos lípidos em geral e da tensão arterial", destaca.
Tratamentos personalizados

Durante o evento, João Raposo diz que é esperado, ainda, que "os profissionais possam rever estratégias para fazer diagnóstico precoce e efetuar terapêutica adequada em função da pessoa que estão a tratar", pois cada vez mais nos aproximamos de uma "medicina personalizada/individualizada".

Em Portugal, o número de diabéticos é superior a um milhão, mas apenas 700 mil pessoas estão diagnosticadas, pois trata-se de uma doença que na maior parte dos casos é assintomática. "Isto significa que quase 400 mil não têm diagnóstico". De acordo com um estudo publicado no final do ano pela Direção-Geral da Saúde, morrem por ano entre 2200 a 2500 mulheres e cerca de 1600 a 1900 homens por diabetes, o que corresponde a mais de 4% das mortes das mulheres e de 3% nos homens. "Mas, normalmente, as pessoas não morrem por diabetes como causa primária, mas por doenças cardiovasculares associadas." Nesse campo, sabe-se que as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte em Portugal, com cerca de 35 mil mortes por ano, mas não se sabe quantas dessas pessoas são diabéticas.

Para resolver o problema da diabetes, o especialista em endocrinologia diz que é preciso uma "estratégia global", que passa, em primeiro lugar, por um "programa de prevenção primária" que deve assentar numa "estratégia multissetorial" para a adoção de estilos de vida saudáveis, que envolva instituições de saúde, empresas, escolas, urbanismo, transportes públicos. Segue-se uma "prevenção secundária eficaz", que implica o diagnóstico das quase 400 mil pessoas que não sabem que têm a doença, porque, se for feito precocemente, o tratamento é mais eficaz.
Por último, o país precisa de "políticas mais eficientes e eficazes" para as complicações da diabetes, "uma área em que ainda gastamos muito no tratamento. É necessário fazer diagnóstico precoce das complicações oculares da diabetes".

Estilos de vida saudáveis

Tentar minimizar os problemas relacionados com a doença implica apostar na mudança de hábitos de vida dos portugueses. A promoção da atividade física, uma alimentação mais saudável e evitar o tabagismo "são três fatores que contribuirão de forma significativa para prevenir um número elevado de pessoas com obesidade, diabetes e problemas cardiovasculares, o que representará ganhos em termos de saúde".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?