Detidos por assaltos a caixas ATM são "gente perigosa" com armas de guerra

Autoridades garantem que a liderança do grupo "está desmantelada"

O grupo desmantelado pela Polícia Judiciária (PJ) por assaltos a caixas multibanco, com recurso a explosão, integra um cidadão estrangeiro, é formado por "gente perigosa" com antecedentes criminais e acesso a armas com calibre de guerra, revelou esta segunda-feira a PJ.

Em conferência de imprensa, o diretor da Unidade Nacional de Contra-Terrorismo (UNCT) da PJ, Luís Neves, garantiu que a liderança daquele grupo criminoso "está desmantelada", precisando que os três homens, dois portugueses e um estrangeiro, com idades entre os 27 e os 30 anos, foram detidos durante a madrugada de hoje, numa localidade a norte de Lisboa, no âmbito de uma operação que teve a colaboração da GNR.

Fontes policiais contactadas pela Lusa precisaram que as detenções ocorreram na zona de Alcobaça (distrito de Leiria) e que o cidadão estrangeiro que integrava aquela associação criminosa é oriundo de um país de Leste.

Segundo Luís Neves, a operação hoje desencadeada e que permitiu apreender cilindros com gás explosivo, armas com calibre de guerra e mais de uma dezena de milhares de euros, foi o culminar de uma investigação que dura há um ano e que tem tido a cooperação da PSP e do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

Os detidos, que serão interrogados na terça-feira por um juiz de instrução criminal, tem antecedentes criminais, mas por "factos de diferente tipologia", referiu o diretor da UNCT, sem adiantar mais pormenores sobre o passado dos suspeitos.

Ao grupo agora desmantelado é atribuído a prática de vários assaltos a caixas de multibanco, sempre através do método de explosão, mas não foi quantificado o número de assaltos que terá realizado.

Entre os objetos apreendidos ao grupo criminoso consta uma metralhadora (AK 47), cuja proveniência está ainda a ser investigada.

Do material apreendido pela PJ e exposto numa das salas da sede da PJ figuram ainda baterias, cabos elétricos, mangueiras e partes integrantes de caixas de multibanco, que servirão de material probatório a apresentar pelas autoridades.

Durante este ano já terão sido assaltadas mais de 150 caixas de multibanco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.