Desvendado mistério de fungo que mata sapos e rãs

Estudo publicado na revista Science mostra que a doença surgiu no Sudeste Asiático e viajou à boleia dos transportes comerciais. Biólogo português é um dos autores

Sabe-se que emergiu de rompante e, pelas razias que fez em muitas espécies de rãs, sapos ou tritões, percebeu-se logo nos anos de 1990 que o fungo quitrídio-dos-anfíbios (Batrachochytrium dendrobatidis) era um problema grave para a conservação destas espécies - em 2009 o fungo causou pela primeira vez na Serra da Estrela um episódio de mortalidade em massa, que afetou sobretudo o sapo-parteiro. Mas um mistério persistia até agora: de onde vinha este fungo microscópio que causa estas mortandades catastróficas nas espécies mais suscetíveis, como é o caso do sapo-parteiro?

Um estudo publicado hoje na revista Science, do qual o biólogo português Gonçalo M. Rosa é um dos principais autores, dá solução ao enigma: aquela estirpe agressiva do fungo teve origem no sudeste da Ásia, no início do século passado. E isso desvenda também o mecanismo da sua expansão. Foi à boleia das atividades humanas e seus transportes, que cruzam oceanos e céus entre os continentes, que o fungo se espalhou a nível global e está a contribuir para o declínio rápido dos anfíbios no mundo. Por isso, a equipa alerta para a necessidade de um controlo mais apertado do comércio mundial de anfíbios, incluindo o do dinâmico mercado dos animais de estimação.

"Não existe uma solução mágica" para travar a expansão deste fungo diz Gonçalo M. Rosa, investigador do Instituto de Zoologia da Sociedade Zoológica de Londres e do centro cE3c da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Mas, sublinha, este agente patogénico tem "beneficiado do comércio de animais, seja para consumo, ou estimação, que catapulta a sua expansão e colonização de novas áreas". E isso aponta para a necessidade de "uma maior regulamentação e um controle mais apertado na higiene e biossegurança" neste setor, enquanto "pilares essenciais para evitar a sua chegada a novas áreas e populações", sublinha o investigador.

O fungo quitrídio-dos-anfíbios causa uma doença chamada quitridiomicose que ataca a pele dos animais e que muitas vezes lhes causa a morte. Existem alguns tratamentos que podem ajudar os animais doentes a recuperar, explica Gonçalo M. Rosa, mas o problema é que "só funcionam em situações controladas, como em laboratório, ou num zoo", em que o animal "pode ser sujeito ao tratamento diariamente". Em larga escala, sublinha o biólogo, "nenhuma solução se mostrou até agora viável" - o que reforça a necessidade da tal regulamentação mais apertada no comércio destas espécies.

Sabe-se que das 6674 espécies de anfíbios que existem, 1875 estão ameaçadas, algumas criticamente. e cerca de 3300 estão em declínio rápido. Para este quadro preocupante contribui um conjunto complexo de fatores, que inclui a perda rápida de habitat e a sua degradação, a competição difícil com espécies exóticas, as alterações climáticas e, claro, as doenças. Entre elas está a quitridiomicose, que se calcula que afete atualmente "cerca de 30% das espécies de anfíbios em todo o mundo", segundo Gonçalo M. Rosa.

No estudo hoje publicado, que desvenda a origem geográfica deste fungo, a equipa sequenciou o genoma de 234 amostras do agente patogénico, recolhidas de anfíbios de todo o mundo, para traçar a sua história até à sua origem, que aconteceu algures no início do século XX, no sudeste asiático. O biólogo português, um dos principais autores do estudo, isolou algumas das culturas do fungo e esteve envolvido na parte experimental do estudo. E agora, que se conhece a história e os segredos genéticos deste agente patogénico, só falta mesmo travá-lo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.