Descobertos fósseis com 70 a 95 milhões de anos no norte do México

Foram descobertas 17 áreas dispersas com amostras de fósseis, na maioria marinhos

Fragmentos de metatarso de um dinossauro e fósseis com entre 70 e 95 milhões de anos foram descobertos no estado mexicano de Chihuahua, no norte, informou hoje o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do México.

Foram descobertas 17 áreas dispersas com amostras de fósseis entre os municípios de Ojinaga, na fronteira com os Estados Unidos, Coyame de Sotol e Aldama, no deserto de Chihuahua, as quais poderão precisar os limites do mar durante o período Cretáceo nesta região do planeta.

O INAH afirmou em comunicado que "a maioria dos fósseis localizados é marinha e corresponde a animais invertebrados: diversas espécies de conchas, caracóis e amonites".

Numa das áreas com fósseis em Aldama descobriram-se fragmentos de metatarso de um dinossauro da família dos hidrossáurios e, perto dos ossos, madeira fossilizada.

"As descobertas são resultado dos recentes trabalhos de prospeção arqueológica levada a cabo pelo INAH na região, motivados pela introdução de um gasoduto", informou o diretor do Centro INAH-Chihuahua, Jorge Carrera.

Devido às descobertas arqueológicas, foi pedida uma "adequação da rota do gasoduto" para não afetar as áreas onde se encontram as amostras fósseis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.