De quantas horas de sono precisamos realmente?

Horas recomendadas variam ao longo da vida - dos bebés aos idosos

Dormir o suficiente é fundamental para a nossa saúde, mas quanto é o suficiente? A questão tem sido alvo de vários estudos e a recomendação da American Academy of Sleep Medicine e da Sleep Research Society é de pelo menos sete horas para um adulto. Para um jovem adulto, por outro lado, pode ser necessário dormir mais, até mais de nove horas.

Um estudo de 2015 da norte-americana National Sleep Foundation, agora recuperado pela associação, tenta estabelecer o tempo recomendado por idade, uma vez que "as necessidades de sono variam ao longo da vida".

- Recém-nascidos (0-3 meses): Entre 14 e 17 horas

- Bebés (4-11 meses): Entre 12 e 15 horas

- Bebés de um e dois anos: Entre 11 e 14 horas

- Crianças dos 3 aos 5: Entre 10 e 13 horas

- Crianças dos 6 aos 13: Entre 9 e 11 horas

- Adolescentes até aos 17: Entre 8 e 10 horas

- Adultos até aos 64: Entre 7 e 9 horas

- Seniores (mais de 65): Entre 7 e 8 horas

O estudo consistiu numa revisão da literatura científica sobre o tema, num total de 312 artigos.

Quanto à variabilidade individual, a American Academy of Sleep Medicine salienta que esta é influenciada pela genética e factores comportamentais, médicos e ambientais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.