Cientistas portugueses revelam primeira sequência do genoma do sobreiro

Investigadores portugueses aspiravam há muito aceder à sequência do genoma da árvore para alicerçar os seus trabalhos de investigação científica e de apoio à fileira do sobreiro e da cortiça

Uma equipa de cientistas portugueses descodificou a primeira sequência do genoma do sobreiro e divulgou uma versão preliminar, considerada "uma importante ferramenta para o avanço do conhecimento da genética" da árvore.

Trata-se de "uma versão preliminar, mas é muito útil e já é a informação mais completa jamais disponibilizada à comunidade", disse hoje à agência Lusa Marcos Ramos, do Centro de Biotecnologia Agrícola e Agroalimentar do Alentejo (CEBAL), uma das instituições portuguesas envolvidas no projeto 'GenoSuber - sequenciação do genoma do sobreiro'.

Segundo o investigador, esta versão é "uma importante ferramenta para o avanço do conhecimento da genética do sobreiro", em particular para as equipas de investigadores portugueses que "há muito aspiravam aceder à sequência do genoma da árvore para alicerçar os seus trabalhos de investigação científica e de apoio à fileira do sobreiro e da cortiça".

A versão foi revelada no meio científico na terça-feira num artigo publicado numa revista do grupo da Nature e está disponível para todo o mundo na base de dados internacional e gratuita do Centro Nacional de Informação Biotecnológica da Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos.

Através do 'GenoSuber', a equipa de cientistas coordenada pelo CEBAL "identificou a sequência de mais de 900 milhões de pares de bases do ADN de uma árvore selecionada", o sobreiro HL8, que "cresce desde o século XIX na Herdade dos Leitões", no concelho de Ponte de Sor, distrito de Portalegre.

Em termos comparativos, "o genoma do sobreiro é maior do que o do arroz, mas tem apenas 1/3 da dimensão do genoma humano", disse Marcos Ramos, referindo que o estudo da equipa vai continuar para "aprofundar e aperfeiçoar" a versão preliminar já tornada pública. Uma versão mais desenvolvida deverá ser divulgada ainda este ano.

Em paralelo, indicou, a equipa está também "a investigar os processos biológicos envolvidos na formação e na qualidade da cortiça" e a gerir uma população de sobreiros F1, "a única população de sobreiros com 'pedigree' conhecido".

O 'GenoSuber' é o maior projeto de sequenciação levado a cabo em Portugal e "é particularmente relevante que tenha incidido sobre o sobreiro, que é um dos maiores símbolos nacionais e foi declarado árvore nacional, em dezembro de 2011, pela Assembleia da República", sublinhou Marcos Ramos.

Depois de "longos anos de esforço e persistência para angariar os fundos necessários", o projeto 'GenoSuber' arrancou em finais de 2013 com financiamento comunitário, através do programa InAlentejo, e de vários patrocinadores privados, lembrou o investigador.

Além do CEBAL, que tem sede em Beja, o projeto envolve o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, o iBET - Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica, o Biocant - Associação de Transferência de Tecnologia e o Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier da Universidade Nova de Lisboa.

O 'Genosuber' já conquistou o prémio Vida Rural Alqueva, em abril de 2015, e o prémio de Empreendedorismo e Inovação do Crédito Agrícola, na categoria "Projetos de Elevado Potencial Promovido por Associado do Crédito Agrícola", em dezembro de 2015.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.