Este gene pode ajudar na luta contra o cancro

O novo gene identificado como C6orf106 ou "C6" tem um papel-chave na regulação da resposta imunológica do corpo perante infeções e doenças

Um grupo de cientistas australianos indentificou um gene que pode ajudar a desenvolver novos tratamentos contra a gripe, a artrite e mesmo o cancro, informou a Organização para a Investigação Industrial e Científica da Commonwealth da Austrália (CSIRO).

O novo gene identificado como C6orf106 ou "C6" tem um papel-chave na regulação da resposta imunológica do corpo perante infeções e doenças, segundo a mesma fonte.

O gene controla a produção de proteínas relacionadas com doenças infecciosas, assim como cancro e a diabetes, revelou a organização em comunicado.

"As citocinas [um termo genérico empregado para designar um extenso grupo de moléculas envolvidas na emissão de sinais entre as células] reguladas pelo 'C6' estão ligadas a uma grande variedade de doenças, incluindo o cancro, a diabetes e (..) a artrite reumatoide", explicou o investigador da CSIRO Cameron Steward.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?