Bonecos de Estremoz vão ter certificação concluída este ano

Classificação como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO foi atribuída em dezembro de 2017

O processo de certificação dos bonecos de Estremoz (Évora), distinguidos pela UNESCO, vai ficar concluído até dezembro deste ano, disse esta quarta-feira à agência Lusa a vereadora da Cultura do município, Márcia Oliveira.

A "Produção de Figurado em Barro de Estremoz", vulgarmente conhecida como bonecos de Estremoz, foi classificada como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), em dezembro de 2017.

Segundo Márcia Oliveira, o município de Estremoz, no distrito de Évora, "já está a trabalhar no processo de certificação" com a ADERE - Certifica, que é "a única entidade a nível nacional que faz este tipo de certificação do artesanato".

A autarquia prevê que o processo de certificação esteja concluído no dia 07 de dezembro, data em que se completa um ano da distinção pela UNESCO.

O município tenciona realizar no mesmo dia uma gala comemorativa do primeiro aniversário do reconhecimento como Património da Humanidade "do modo de produção do boneco de Estremoz".

"Este é mais um passo para a salvaguarda dos bonecos de Estremoz, que, a partir daí, passarão a ter uma etiqueta a certificar que é feito ao modo de produção do boneco de Estremoz", explicou a autarca.

Segundo o município, no dia 12 deste mês, às 11:00, vai decorrer no salão nobre dos paços do concelho uma sessão de esclarecimento sobre a certificação dos bonecos.

A certificação, de acordo com a autarquia, pretende "salvaguardar o figurado de Estremoz de práticas ilegais de produção e comercialização, que desprestigiem a arte e os seus intérpretes, as quais induzem o comprador em erro e comprometam a sustentabilidade de todo o setor".

"Com a certificação, a oferta será disciplinada e clarificada, valorizando-se, assim, o produto figurado de Estremoz e o trabalho dos artesãos", frisa a autarquia.

A certificação e a abertura de um Centro Interpretativo do Boneco de Estremoz fazem parte do plano de valorização e salvaguarda, que integra ainda, entre outras, atividades educativas.

Os bonecos de Estremoz pertencem a uma arte de caráter popular, com mais de 300 anos de história, tendo sido o primeiro figurado do mundo a merecer a distinção de Património Cultural Imaterial da Humanidade, na sequência da candidatura apresentada pelo município alentejano.

Com mais de uma centena de figuras diferentes inventariadas, a arte, a que se dedicam vários artesãos do concelho, consiste na modelação de uma figura em barro cozido, policromado e efetuada manualmente, segundo uma técnica com origem pelo menos no século XVII.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.