Barcos da Douro Azul com reservas para cinco anos

Joss Stone e Sara Sampaio foram as madrinhas dos novos navios-hotel Elegance e Serenity

O Elegance e o Serenity já estão baptizados e irão subir o Douro. Foi com grande pompa e espetáculo que os dois navios-hotel da Douro Azul foram ontem inaugurados, com Joss Stone e Sara Sampaio a estrearem-se como madrinhas de embarcações. A festa foi de gala, com música, espetáculo multimédia, pirotecnia e duas vedetas da televisão a apresentar, Manuel Luís Goucha e a atriz brasileira Giovanna Antonelli.
Já passaram 25 anos desde que Mário Ferreira fundou a Douro Azul, empresa dominante neste mercado de turismo fluvial. "Foi necessário muita tenacidade e energia", disse aos convidados, revelando que o Elegance tem já os próximos cinco anos de reservas por turistas britânicos, enquanto o Serenity irá receber do mercado holandês, belga, norueguês e norte-americano. Com a presença de governantes, como o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, e o secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, Mário Ferreira realçou que os dois barcos foram "construídos em Portugal e por portugueses", nos estaleiros navais de Viana do Castelo. Custaram os dois 26 milhões de euros.

"Não queremos ficar por aqui", garante Mário Ferreira, para quem o objetivo é "fazer mais e melhor" de forma a "chegar a novas regiões do Globo", contribuindo para criar "postos de trabalho e riqueza".

O ministro do Ambiente elogiou o trabalho de Mário de Ferreira na atração de turistas e concluiu que "quantos mais visitantes vierem ao Douro, mais serão os aliados e os defensores que as condições ambientais na região se vão manter no futuro", numa referência à paisagem duriense e à intervenção humana, que, referiu, sempre se conjugaram.

A festa incluiu um concerto da cantora Joss Stone, após um jantar de gala com mais de 200 convidados

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.