Asteroide descoberto no sábado desintegrou-se em África

Movia-se a cerca de 60 mil quilómetros por hora

Um asteroide desintegrou-se vários quilómetros acima da superfície do Botswana, em África, apenas oito horas depois de ter sido descoberto e detetado. Teria um diâmetro estimado de dois metros e foi detetado pelo Catalina Sky Survey.

Segundo o Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), o asteroide foi detetado quando estava já em rota de colisão com a Terra e a uma distância semelhante à da Lua. Movia-se a cerca de 60 mil quilómetros por hora.

Nessas oito horas foram seguidos os procedimentos típicos, ou seja, os dados sobre o asteroide foram enviados para o Minor Planet Center, em Cambridge, Massachusetts, EUA, e para um laboratório da NASA em Pasadena, na Califórnia.

O tamanho reduzido do asteroide levou a que não fossem necessários alertas maiores por parte da NASA, como está previsto nos procedimentos para asteroides maiores.

A queda do asteroide ficou registada em vídeo, sendo possível ver-se uma grande bola de fogo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.