As 15 cidades e áreas mais poluídas de Portugal, segundo a OMS

Em causa está a poluição com partículas minúsculas que entram nos pulmões e no sistema cardiovascular

Quinze locais em Portugal ultrapassam o nível máximo de partículas finas inaláveis (PM2,5), que a Organização Mundial de Saúde determina não dever ser superior a 10 microgramas por metro cúbico de ar, mostram os dados mais recentes do organismo, revelado esta terça-feira e que incluem dados para cerca de cinco dezenas de locais no país.

Estas áreas incluem Lisboa, Cascais e Almada. O Porto, por outro lado, fica abaixo do limite e Guimarães tem o valor mais baixo da lista: 3.

Em causa está a poluição com partículas minúsculas (PM2.5 - as mais finas e suscetíveis de se infiltrarem nos organismos) que entram nos pulmões e no sistema cardiovascular, causando doenças potencialmente mortíferas como derrames cerebrais, ataques de coração, obstruções pulmonares e infeções respiratórias.

Os valores limite indicados pela OMS são, no entanto, mais baixos do que os da legislação portuguesa e comunitária, que é de 25 microgramas por metro cúbico de ar. Assim, todas os locais referidos ficam dentro dos limites permitidos legalmente.

A Câmara Municipal de Estarreja, localidade que no relatório da OMS apresenta o valor mais elevado, realça que a taxa de eficiência de recolha de dados foi inferior ao legislado a nível nacional, pelo que considera os dados inconclusivos e "meramente indicativos".

A autarquia lembra ainda que "a estação de monitorização da qualidade do ar existente no concelho não se limita a avaliar a qualidade do ar do concelho, porque não há fronteiras físicas", e que a emissão de partículas ocorre a partir de diversas fontes, "nomeadamente tráfego rodoviário, áreas industriais e fontes de combustão doméstica (essencialmente de lareiras)".

A Organização Mundial de Saúde (OMS) revelou esta terça-feira que, a nível global, nove em cada dez pessoas respiram ar poluído e contaminado. Na Europa e no continente americano, os níveis de contaminação do ar têm-se mantido estáveis ao longo dos últimos seis anos, com ligeiras melhorias.

Para ter noção da diferença, na comparação com o resto do mundo, o máximo registado em Portugal foi em Estarreja (15), enquanto a cidade mais poluída do mundo, Muzaffarpur na Índia, registou 197 microgramas por metro cúbico - um valor que está, no entanto, a ser revisto.

Os 15 locais que excedem o limite de 10 microgramas por m3:

Estarreja - 15

Almada - 14

Cascais -14

Lisboa -13

Portimão - 13

Albufeira - 12

Buraca - 12

Faro - 12

Algueirão-Mem Martins - 12

Ílhavo -12

Marateca - 12

Aveiro - 11

Chamusca - 11

Setúbal - 11

Vila do Conde - 11

Os sete locais no limite

Barreiro -10

Coimbra - 10

Loures - 10

Odivelas -10

Perafita - 10

Santiago do Cacém - 10

Senhora da Hora (Matosinhos) - 10

Quanto ao limite para as partículas mais grossas (PM10), que a OMS põe nos 20 microgramas, este é ultrapassado em Albufeira (25), Almada (22), Aveiro (24), Barreiro (21), Buraca (21), Cascais (30), Coimbra (22), Coimbrão (22), Estarreja (25), Faro (22), Ílhavo (27), Lisboa (28), Loures (21), Marateca (25), Odivelas (21), Perafita (22), Portimão (27), Santiago do Cacém (22), Senhora da Hora (21), Setúbal (23), Sines (21).

Notícia atualizadas às 17.30. Incluído esclarecimento da Câmara Municipal de Estarreja

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.