As 7 razões pelas quais Lisboa é cidade mais 'cool' da Europa, segundo a CNN

Estação norte-americana recupera artigo de há três anos, revisto e atualizado, para dizer que Lisboa não perdeu o interesse

Não é a primeira vez que a CNN admite que Lisboa pode muito bem ser a cidade mais cool da Europa. Em 2014, a estação norte-americana publicava uma fotogaleria com as sete razões pelas quais a capital portuguesa era tão "fixe", mas em 2017 viu motivos para rever e aumentar o mesmo artigo, de que o DN já tinha dado conta na altura da primeira publicação.

As sete razões pelas quais Lisboa pode muito bem ser a cidade mais cool da Europa são, em traços gerais, as mesmas: a primeira, a vida noturna, capaz de ultrapassar Madrid numa "movida" que só termina quando amanhece e o sol nasce sobre o rio Tejo. "A ação principal é no Bairro Alto, onde mais de 250 bares se alinham numa rede de ruas entre paredes preenchidas com graffiti", mas não falha a referência ao Cais do Sodré.

A segunda razão tem a ver com a cozinha experimental, numa série de restaurantes que são "modernos, sofisticados e acessíveis ao bolso", escreve a CNN. O destaque vai para os estabelecimentos de José Avillez, mas "nenhum viajante deve perder os famosos pastéis de nata".

Em terceiro, a "ironia" dos lisboetas, refere a estação norte-americana. "Seria de pensar que os lisboetas iriam gabar-se dos feitos - primeiro império global, os melhores pastéis de nata do mundo". Mas não. "Como o escritor português Fernando Pessoa uma vez resumiu de forma eloquente o modo de pensar nacional: 'Tinha-me levantado cedo e tardava em preparar-me para existir'".

A quarta razão para Lisboa ser tão fixe, diz a CNN, são as praias e os castelos da região. E, como exemplo, o artigo fala nos golfinhos e ferries no Tejo e as praias a meia hora de comboio, em Cascais ou no Estoril, sem deixar de assinalar a necessidade de visitar Sintra, com palácios de sonhos e "mansões que são a epítome de séculos de opulência aristocrática".

Em quinto, vem o "design fabuloso", seja nos interiores seja nas grandes obras, com destaque para o Pavilhão de Portugal projetado por Siza Vieira para a Expo 98. A "grande arte" é a sexta razão para Lisboa ser tão cool. "As grandes capitais europeias, como Londres, Paris ou Berlim, podem ter grandes coleções de arte, mas o meio milhão de habitantes de Lisboa tem acesso à sua própria rara panóplia". E refere-se a coleção da Fundação Gulbenkian, o Museu Berardo, o Museu de Arte Antiga ou o Museu do Oriente como exemplos de locais a não perder.

Por último, a CNN aponta às "ruas fascinantes" de Lisboa, que não deixam os viajantes aborrecer-se, seja pelos padrões da calçada portuguesa ou pelas cores dos azulejos nos edifícios antigos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?