App portuguesas distinguidas nas Nações Unidas

City Points Cascais e SnapCity estão entre os 40 vencedores de 23 países

Duas aplicações portuguesas estão entre as 40 distinguidas com o prémio World Summit Awards (WSA), um concurso das Nações Unidas que seleciona e promove inovações digitais com impacto global. As vencedoras de 23 países recebem o prémio em março, na Áustria.

Ganharam as portuguesas City Points Cascais e a SnapCity, uma informação a que o DN teve acesso, antes do anúncio oficial na segunda-feira. A primeira é uma aplicação promovida pela Câmara de Cascais e é um programa que dá recompensas aos cidadãos que cumpram boas práticas de cidadania. A segunda coloca em comunicação, através de um chat, locais e turistas em várias cidades de todo o mundo, permitindo aos visitantes viajar como se fossem nativos.

No caso da City Points Cascais, os cidadãos são premiados com entradas gratuitas em museus, eventos ou serviços de cuidados de animais, quando desempenham atividades como fazer reciclagem ou andar de transportes públicos. Outra das atividades que dá pontos é votar no Orçamento Participativo da cidade, cuja votação arranca hoje.

Outras vencedoras internacionais permitem diagnósticos à distância, imprimem órgãos em três dimensões, ou promovem ofertas de emprego para mulheres ligadas à área da tecnologia. De acordo com a organização, os vencedores "oferecem joias de inovação".

Os vencedores são escolhidos por um júri internacional de tecnologias da informação e comunicação (TIC), em duas rondas. Cada membro das Nações Unidas pode escolher um produto por cada uma das oito categorias - Portugal ganhou em Governança & Envolvimento Cidadão (City Points Cascais) e Cultura & Turismo (SnapCity) -, resultando a lista final de uma pré-seleção nacional.

"Para apresentarmos inovação digital relevante e significativa, temos que responder às necessidades locais e comparar-nos à excelência global. Com os WSA reconhecemos a inovação de amanhã já hoje", sublinha o presidente dos WSA, Peter A. Bruck.

A presença nesta iniciativa da ONU vai permitir aos criadores das aplicações o acesso a redes mundiais de inovação, possibilidades de negócio, de financiamento e de parcerias. O país com mais ideias vencedoras é o Chile, com cinco, seguido do Reino Unido, Alemanha, Brasil todos com três.

Os 40 vencedores são "apenas uma pequena seleção", sublinha a organização, entre as mais de 400 nomeações que chegaram de 180 países. A seleção foi feita no último mês, depois das finalistas nacionais terem sido anunciadas no final de setembro.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.