Trabalhadores obrigados a usar fraldas para não fazerem pausas

O relatório da organização Oxfam relata as denúncias dos trabalhadores de aviários que não podem abandonar a linha de produção

Lusa
© Reuters/Gleb Garanich

Os trabalhadores dos aviários nos Estados Unidos são rotineiramente privados de pausas para ir à casa de banho ao ponto de serem forçados a usar fraldas na linha de produção, denuncia um estudo da organização britânica Oxfam.

Segundo o estudo, que foi publicado na terça-feira, "a grande maioria" dos 250 mil trabalhadores do setor aviário norte-americano é ridicularizada, ignorada ou ameaçada com despedimento quando pede para ir à casa de banho, "não beneficiando de pausas adequadas" para o efeito, no que constitui uma "clara violação das leis norte-americanas de segurança no trabalho".

"Os trabalhadores lutam para se adaptar a essa negação de uma necessidade humana básica. Urinam e defecam enquanto se encontram na linha de produção, usando fraldas para trabalhar", refere o relatório divulgado pela filial da organização não-governamental (ONG) Oxfam nos Estados Unidos.

A organização cita um inquérito realizado junto de 266 trabalhadores em Alabama, por uma associação que luta contra a discriminação, em que "quase 80% afirma que não lhes é permitido fazer pausas para ir à casa de banho quando precisam"; e outro no Minnesota, que revelou que "86% dos trabalhadores disse ter menos de duas pausas para ir à casa de banho numa semana", sublinha a Oxfam.

Segundo a organização, os poucos funcionários que indicaram poder ir à casa de banho sempre que precisam trabalham em unidades sindicalizadas, perfazendo aproximadamente um terço do total.

Os supervisores dos aviários recusam que os trabalhadores deixem a linha de produção para ir à casa de banho porque se encontram sob elevada pressão para manter a produção ou cumprir quotas diárias, refere o estudo divulgado pela Oxfam.

"Enquanto a indústria aviária goza hoje de lucros recordes (...), a realidade da vida no interior das fábricas de processamento permanece penosa e perigosa", sustenta a Oxfam, falando dos "baixos salários", de "elevadas taxas de lesões e doenças" e das "difíceis condições de trabalho" dos funcionários, que "têm pouca voz".

A Tyson, um das maiores empresas do setor das aves no mundo, afirmou, em comunicado, que "não irá tolerar a recusa de pedidos para deslocações à casa de banho" nas suas fábricas.

"Estamos preocupados com estas queixas anónimas e embora não tenhamos atualmente provas de que são verdadeiras, estamos a verificar [a situação] para ter a certeza de que a nossa posição se encontra a ser seguida", indicou.