Afinal, produzimos novos neurónios mesmo em adultos

Um novo estudo contradiz que o cérebro deixe de produzir neurónios depois da adolescência. Esta descoberta pode ajudar a combater doenças como demência ou Alzheimer

É uma questão que tem sempre levantado muita controvérsia: continuará o cérebro humano a produzir neurónios ao longo de toda a vida, ou não? E se isso acontecer, será que a percentagem diminui?

Um estudo publicado agora na revista Cell Stem Cell garante que a produção é continua durante a vida adulta, numa parte do cérebro envolvida na aprendizagem, memória e emoção - o hipocampo - e que não diminuem de número. Fica assim contrariada a vertente que afirma que a produção para depois da adolescência.

"A parte interessante é que os neurónio estão lá por toda a vida", afirma Maura Boldrini, da Universidade de Columbia, em Nova York, uma das autoras do estudo. "Parece que, na verdade, os seres humanos são diferentes das cobaias - onde a produção de neurónios diminui com a idade".

Para chegar a esta conclusão Boldrini e os colegas analisaram o hipocampo de 28 homens e mulheres com idades compreendidas entre os 14 e os 79 anos, colhidos apenas algumas horas depois de terem morrido.

As descobertas podem ajudar no desenvolvimento de tratamentos para condições neurológicas, como a demência e o Alzheimer.

"Sabemos, a partir do trabalho em modelos animais, que neurónios adultos são necessários para vários processos de aprendizagem e de memória, e há algumas evidências que sugerem que a neurogénese é interrompida em condições psiquiátricas humanas. Esta é uma área promissora para possíveis tratamentos", afirmou Niels Haan, da Universidade de Cardiff, ao jornal britânico The Guardian.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.