Afinal, produzimos novos neurónios mesmo em adultos

Um novo estudo contradiz que o cérebro deixe de produzir neurónios depois da adolescência. Esta descoberta pode ajudar a combater doenças como demência ou Alzheimer

É uma questão que tem sempre levantado muita controvérsia: continuará o cérebro humano a produzir neurónios ao longo de toda a vida, ou não? E se isso acontecer, será que a percentagem diminui?

Um estudo publicado agora na revista Cell Stem Cell garante que a produção é continua durante a vida adulta, numa parte do cérebro envolvida na aprendizagem, memória e emoção - o hipocampo - e que não diminuem de número. Fica assim contrariada a vertente que afirma que a produção para depois da adolescência.

"A parte interessante é que os neurónio estão lá por toda a vida", afirma Maura Boldrini, da Universidade de Columbia, em Nova York, uma das autoras do estudo. "Parece que, na verdade, os seres humanos são diferentes das cobaias - onde a produção de neurónios diminui com a idade".

Para chegar a esta conclusão Boldrini e os colegas analisaram o hipocampo de 28 homens e mulheres com idades compreendidas entre os 14 e os 79 anos, colhidos apenas algumas horas depois de terem morrido.

As descobertas podem ajudar no desenvolvimento de tratamentos para condições neurológicas, como a demência e o Alzheimer.

"Sabemos, a partir do trabalho em modelos animais, que neurónios adultos são necessários para vários processos de aprendizagem e de memória, e há algumas evidências que sugerem que a neurogénese é interrompida em condições psiquiátricas humanas. Esta é uma área promissora para possíveis tratamentos", afirmou Niels Haan, da Universidade de Cardiff, ao jornal britânico The Guardian.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.