Acidente com catamarã no Terreiro do Paço faz 34 feridos

Nevoeiro e velocidade excessiva podem ter estado na origem do acidente, apontou o capitão do Porto de Lisboa

O catamarã Antero de Quental embateu hoje, às 8.39, no cais do Terreiro do Paço, em Lisboa, quando fazia manobras para atracar, confirmou ao DN fonte da Polícia Marítima.

O barco fazia a ligação entre o Barreiro e o Terreiro do Paço. O comandante do Porto de Lisboa informou que se registaram 34 feridos, tendo 23 deles sido transportados para o hospital: 12 para São José, oito para Santa Maria, dois para São Francisco Xavier e uma mulher grávida de 19 semanas para a Maternidade Alfredo da Costa. De acordo com a mesma fonte tratam-se de ferimentos ligeiros.

"Só um tinha evidências de fratura num membro inferior", disse José Isabel. "Todos os outros foram imobilizados por uma questão de precaução e serão avaliados no hospital", afirmou.

Responsável clínico do Hospital de São José confirmou estas informações à SIC e adiantou que a mulher grávida que foi transportada para a Maternidade já realizou exames e iria ter alta.

Segundo a SIC, três outros passageiros deslocaram-se ao Hospital de São José por iniciativa própria

"O acidente aconteceu quando a embarcação estava a atracar. Trata-se de uma embarcação da Soflusa que vinha do Barreiro com destino ao cais Sul/Sueste e que ao atracar embateu. As pessoas, com a ânsia de sair, já estavam de pé junto às portas de saída, coisa que não deve acontecer. As pessoas devem permanecer sempre sentadas", adiantou o capitão do Porto de Lisboa.

A mesma fonte defendeu que o nevoeiro terá sido "fator determinante para acidente ter acontecido", considerando que a avaliação da distância feita pelo comandante terá sido errada, tendo em conta a velocidade com que se aproximou do cais.

"A velocidade certamente que não era [a mais adequada], isso não resta dúvidas. Agora, foi prejudicada pela falta de visibilidade", disse José Isabel à agência Lusa, falando numa "má avaliação" da parte do piloto.

"Ao vir com essa velocidade - o comandante pensava que estava mais longe - acabou por embater no cais", concretizou, adiantando que o piloto já tinha sido ouvido pelas autoridades e que seria feito um processo de averiguações ao acidente.

José Isabel disse ainda que a embarcação não terá sofrido danos.

A embarcação em causa é da empresa Transtejo e operada pela Soflusa. Tem capacidade para 600 passageiros e a bordo seguiam 561 passageiros e quatro tripulantes, de acordo com informações do administrador José Bagarrão.

Em declarações aos jornalistas no local, o administrador adiantou que vai ser criada uma comissão de inquérito para investigar as causas do acidente. Admitiu, contudo, que o nevoeiro "é uma das hipóteses entre muitas" que podem ter estado na origem do choque violento da embarcação com o pontão e que levou alguns passageiros a serem projetados.

O mesmo responsável garantiu que o catamarã em causa estava em perfeitas condições, com certificado de navegabilidade válido e inspeções em dia.

Adiantou ainda que as ligações fluviais mantêm-se, ainda que possam existir alguns atrasos.

No local estiveram o capitão do Porto de Lisboa, a Polícia Marítima, elementos da Proteção Civil municipal, o INEM, 26 elementos dos Sapadores de Bombeiros de Lisboa, apoiados por oito viaturas, e os Bombeiros Voluntários de Lisboa.

Na própria estação fluvial do terreiro do Paço foi auxílio a algumas vítimas.

(Atualizada às 12:43 com informação sobre os feridos)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.