"A Segunda Circular é uma potencial avenida"

O catalão Joan Busquets vê uma nova centralidade nesta via e o português Gonçalo Byrne pergunta-se por que demorou tanto tempo.

As obras que transformariam a Segunda Circular numa via arborizada foram suspensas na semana passada devido a problemas com o concurso público, mas ideia continua válida para o arquiteto português Gonçalo Byrne. "Tenho uma crítica: porque que é que demorou tanto tempo?", afirma à margem da 14.ª conferência internacional do Docomomo, esta quarta-feira, em Lisboa, após o debate que juntou o português ao catalão, Joan Busquets, para falar sobre as áreas metropolitanas de Lisboa e Barcelona.

Foi precisamente arquiteto espanhol, professor na universidade de Harvard, que trouxe para o debate a Segunda Circular, a partir de um trabalho com os seus alunos sobre a cidade de Lisboa. Essa reflexão, com três anos, concluiu a existência de "uma nova centralidade" ao longo dessa estrada. "Lisboa é uma cidade de avenidas e a Segunda Circular é uma potencial avenida, que, com Manuel Salgado [vereador do Urbanismo da câmara municipal de Lisboa], podia ser um sítio mais cívico", disse para uma audiência de investigadores, e não só, membros do Docomomo, uma organização dedicada à documentação e conservação do legado do Movimento Moderno.

"A Segunda Circular atrai atividades económicas, estádios, escritórios, universidades, centro comerciais. Não estou a dizer se é bom ou mau. É o que é", detalha ao DN, após a conferência na Fundação Calouste Gulbenkian. "Seria uma zona de eixo, entre Monsanto e a Expo", diz o arquiteto referindo a necessidade de acrescentar qualidade de vida a estas zonas.

A crítica de que o plano, entretanto suspenso, tornaria a circulação de automóvel caótica é rebatida por Gonçalo Byrne. "Não vai haver uma grande redução do fluxo, entre uma coisa que é exageradamente uma autoestrada e uma apropriação urbana desta via", afirma, acrescentando: "Essa estratégia de uma cidade para a alta velocidade é pré-histórica".

"Apesar da crise, entramos num novo período, na era Manuel Salgado", diz Gonçalo Byrne, referindo a necessidade de "tornar o espaço público apropriável". É o que vê em programas que dão uma praça a cada bairro, obras que a seu ver também só pecaram por tardias.

Numa conferência em que se falou dos problemas atuais das duas cidades, sob moderação do atual vereador da habitação de Barcelona, Josep Maria Montaner, Gonçalo Byrne fez o diagnóstico, a partir do que aconteceu no Chiado após o programa de reabilitação de Álvaro Siza, depois do incêndio de 1988: "Um programa de usos variados - casas, comércio, escritórios -, com o restauro de fachadas e novas áreas públicas, uma estratégia que se estendeu a outros edifícios [entre eles um do próprio Byrne].

A separação entre ricos e pobres e o crescimento do turismo também foi ao debate. Gonçalo Byrne lembrou que "a habitação chega devagar, o turismo continuamente". E Joan Busquets lembrou os seus tempos na câmara de Barcelona, à frente do departamento de urbanismo e lhe perguntavam pela gentrificação. "Quem me dera ter de lidar com a gentrificação", disse. "É mais fácil lidar com o que existe do que com que não existe".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.