A maioria dos sobredotados não sabe que o é

Pedro Aires, 12 anos, com os pais

É estimado que 3% a 5% das crianças sejam sobredotadas. Especialistas e pais queixam-se da falta de respostas em Portugal

Aos oito meses, Pedro disse a primeira palavra. Para grande frustração dos pais, não foi "mamã" nem "papá", mas "peixes". Com dois anos já decorava as matrículas e as marcas dos carros. Aos cinco, quando a mãe o viu a ler os rótulos dos frascos de champô e lhe perguntou há quanto tempo sabia ler, disse-lhe que o fazia "há milhões de anos". Mas as suspeitas de que o filho era sobredotado só viriam a ser confirmadas por volta dos 7 anos. "Tinha um péssimo comportamento nas aulas. Éramos constantemente chamados por causa das suas extravagâncias. Não estava atento, mas tinha ótimas notas", recorda a mãe, Ana César.

A certa altura, Pedro começou a ser acompanhado na escola por um psicólogo, que o avaliou como "bem dotado". Mas, apesar do excelente aproveitamento, mantinham-se os problemas de atenção e comportamento. Ana recorda-se de receber inúmeros telefonemas da professora do filho logo às 09.00, porque o Pedro nunca fazia os trabalhos de casa. Foi o "desespero" que levou a família a pedir uma nova avaliação fora da escola. "O relatório indicou que atingia o nível da sobredotação." Um "alívio" para o pai, que finalmente percebia os seus comportamentos, uma preocupação para a mãe, que não sabia como lidar com isso. Pedro, agora com 12 anos, sabe que as suas capacidades intelectuais são bastante superiores à média, mas essa não é a regra. Dizem os especialistas que a maioria dos sobredotados não estão identificados como tal.

"Estima-se que 3% a 5% das crianças e adolescentes que frequentam as escolas têm características de sobredotação. A maioria está por identificar. Muitos destes jovens passam despercebidos na escola por falta de estruturas de identificação e acompanhamento", afirma Alberto Rocha, presidente da direção da Associação Nacional para o Estudo e a Intervenção na Sobredotação (ANEIS). Atendendo aos últimos dados do Ministério da Educação sobre os estudantes matriculados em Portugal (2014-15), podem existir até 80 mil crianças e jovens sobredotados em Portugal. "Muitos são apenas percebidos como hiperativos, desinteressados ou como alunos incómodos, em conflito com o próprio ensino, que não corresponde às suas necessidades e expectativas. Uma percentagem significativa de professores confessa nunca ter detetado um aluno sobredotado ao longo da sua vida profissional", acrescenta o especialista em psicologia da educação.

Foi a pensar "nos casos que não são detetados" que Ana César decidiu deixar de falar sob anonimato: "Parece um assunto tabu. Ninguém fala, ninguém quer saber." Para Helena Serra, presidente da Associação Portuguesa de Crianças Sobredotadas (APCS), a falha na identificação deve-se "à falta de estrutura (como por exemplo uma Equipa de Apoio à Capacidade/ou à Sobredotação), que é preciso providenciar e que teria funções e responsabilidades atribuídas quanto a estes alunos, como é o caso das Equipas/Departamentos de Educação Especial atuais que existem em qualquer Agrupamento". A professora da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti considera que "essa falta de "estrutura de resposta" deve-se aos "mitos" que ainda estão muito presentes no caso destes alunos. Só os "coitadinhos" é que despertam vontade política de responder porque socialmente "fica bem"".

Essa falha tem consequências graves para as crianças, que, segundo Helena Serra, "muitas vezes andam tão saturadas na escola, entediadas, desgastadas, sem estímulos, portam-se mal, são provocadoras, têm insucesso, batem com a porta, abandonam e algumas podem depois cair nas franjas". Ou então, adianta, "andam silenciadas, talvez desligadas e a cumprir "mínimos", mas frustradas, tristes, infelizes, sem estímulo ou motivação".

Entrar na escola aos quatro

L. tem 6 anos e meio e um QI (média ponderada) de 144. Passou agora para o 3.º ano. Entrou na escola com 4, sensivelmente um ano depois de os pais terem descoberto que era sobredotada, na sequência de um ataque de pânico. Até então, nem mesmo as perguntas sobre a vida e morte fizeram os pais desconfiar. "Tinha alguns problemas comportamentais e um dia disse-me que não queria ir para a escola. Eu insisti e, quando chegámos, teve uma crise de pânico", recorda a mãe, A., ao DN. Já no 1.º ano, L. começou a "mostrar comportamentos de aborrecimento. Dizia que não queria ir para a escola, que estava farta, porque todos os dias lhe perguntavam a mesma coisa". No 2.º ano começou um programa diferenciado de ampliação de conhecimentos.

Segundo Helena Serra, as respostas para estas crianças incluem "a "aceleração", que é o poder avançar um ano por ciclo, num máximo de dois anos, e o princípio geral da diferenciação no ensino-aprendizagem, que é de facto uma ideia peregrina, porque na prática é bem complicado numa mesma sala ter opostos e a média e gerir com êxito tudo isso". Considera, por isso, que a resposta é "curtíssima e falaciosa". Uma opinião partilhada por A. "Portugal tem de respeitar estas crianças. Dar-lhes as mesmas condições que dá aos demais. Só peço que a L. possa seguir ao ritmo dela." A. pediu um parecer para que a filha avance mais um ano, mas "veio no sentido do indeferimento, porque a lei só permite uma aceleração e não prevê que um aluno termine o quarto ano antes dos 9 anos". No entanto, adverte, isso vai sempre acontecer, uma vez que L. entrou aos 4 anos. Por outro lado, critica, essa "antecipação está a contar como uma aceleração quando não o é".

L. sabe os números "até aos milhões" e "só lhe perguntam quanto é dois mais dois". Isso faz que passe fases de grande angústia. Segundo os especialistas, L. tem uma idade cognitiva que corresponde sensivelmente ao dobro da sua idade. "No outro dia perguntou-me quando é que pode sair para tomar café com um amiga", conta a mãe, destacando que, naturalmente, a educação não é dada de uma forma típica. L. é uma criança "muito racional". Para perceber o que era o Alzheimer, por exemplo, a mãe teve de lhe mostrar algumas TAC. Mas não deixa de ser uma criança como qualquer outra: tanto gosta de ver o National Geographic e o Odisseia como o Panda.

Falta de respostas preocupa pais

Ana César teve de lutar para que o colégio que o filho frequenta lhe arranjasse um plano diferente. Finalmente conseguiu. "Não há respostas. As escolas deviam ter um plano diferente para estas crianças, que, no entanto, devem estar nas turmas com as outras crianças", lamenta.

Alberto Rocha concorda que "as respostas são quase inexistentes" em Portugal. "Entendemos que a implementação de medidas educativas para apoio aos alunos com características de sobredotação deve prever uma estrutura que permita a aceleração, a complexidade e o aprofundamento curricular, bem como todo o material suplementar necessário ao desenvolvimento das várias áreas do desenvolvimento psicossocial destes alunos", sugere.

Últimas notícias

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Sociedade
Pub
Pub