A dura realidade das alterações climáticas: urso polar filmado a morrer à fome no Ártico

Fotógrafo Paul Nicklen e equipa do grupo Sea Legacy gravaram vídeo nas ilhas de Baffin, no Ártico do Canadá. É uma cena que ainda o atormenta.

Paul Nicklen está a habituado a ver ursos devido à sua infância passada no norte do Canadá, fala em mais de três mil espécimes que terá já visto no seu habitat natural. Mas o urso polar que surge no vídeo que divulgou esta semana não lhe sai da cabeça, é uma cena que ainda o atormenta. Estava quase a morrer à fome.

"Nós ficámos ali a chorar, a filmar com as lágrimas a rolarem pelas nossas faces", disse uma entrevista ao site da National Geographic.

Questionado porque razão não tentou salvar o urso, Nicklen respondeu: "Claro que isso me passou pela cabeça. Mas não ando propriamente no bolso com uma arma tranquilizante ou 200 quilos de carne de foca".

E explica porque razão fez este vídeo. "Quando os cientistas dizem que os ursos vão ficar extintos, eu quero que as pessoas percebam que é assim que tal vai acontecer. Os ursos vão morrer à fome", afirmou à National Geographic. "É uma cena que aperta o coração que ainda me atormenta, mas eu sei que precisamos de partilhar tanto o bonito como o angustiante se queremos derrubar os muros de apatia" escreveu no Instagram.

De acordo com esta publicação, em 2002, um relatório do World Wild Life Fund já previa que as alterações climáticas poderiam eventualmente levar à extinção dos ursos polares, ou deixar esta espécie em risco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.