A catástrofe que extinguiu dinossauros influenciou as aves

Há 66 milhões de anos, um meteorito atingiu a Terra e provocou a extinção dos dinossauros. Um estudo agora divulgado tenta explicar como o impacto influenciou o tipo de aves que existem hoje

A extinção dos dinossauros continua a intrigar a comunidade cientifica e tem sido motivo de vários estudos, um dos quais tenta explicar como o cataclismo que aconteceu há milhões de anos influenciou o tipo de aves que existem hoje.

De acordo com o trabalho desenvolvido pela equipa liderada por Daniel Field, paleontólogo da Universidade de Bath, no Reino Unido, a destruição causada pelo meteorito que atingiu a Terra há 66 milhões de anos afetou a evolução das aves.

As histórias evolutivas de grandes grupos modernos, como pássaros, mamíferos e plantas com flores, foram influenciadas pela extinção em massa do final do período Cretáceo

No artigo que foi publicado esta quinta-feira na revista Current Biology , os cientistas explicam que apenas as aves que viviam em terra sobreviveram às consequências do impacto, ao contrário do que aconteceu com as espécies que viviam nas árvores. A destruição massiva das florestas em todo o mundo, resultante do impacto, levou a que essas aves ficassem sem habitat, explicam os autores do estudo.

"As histórias evolutivas de grandes grupos modernos, como pássaros, mamíferos e plantas com flores, foram influenciadas pela extinção em massa do final do período Cretáceo", referiu Field no estudo.

"A catástrofe global deixou uma assinatura tão indelével nas trajetórias evolutivas desses grupos que ainda podemos rastreá-la 66 milhões de anos depois", considerou o paleontólogo.

De acordo com o especialista, os antepassados das aves que conhecemos hoje e que tem como habitat as árvores, só começaram a voar até aos ramos quando as florestas renasceram após o cataclismo. ​​​​

A análise de amostras de fósseis desse período, que foram recolhidas na Nova Zelândia, Japão, Europa e América do Norte, levaram os investigadores a concluir a destruição das florestas no final do período Cretáceo e a extinção das aves que tinham como habitat as árvores.

No estudo, foi feita a relação evolutiva entre as 10 mil espécies de aves que existem hoje e concluiu-se que os sobreviventes do cataclismo foram as aves que viviam no solo. "As análises mostraram que o passado ancestral de todos os pássaros que vivem hoje, e todas as linhagens de aves que atravessaram o período Cretáceo, eram, provavelmente, terrestres", resumiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.