A brincar se seduz, manipula e convence. É a base da educação

Desde o primeiro momento que a ligação entre pais e filhos se faz pelo brincar, é a receita para a felicidade e já tem um dia mundial

Leonor é a médica e a sala de brincar o consultório. Este é o espaço que dá acesso ao mundo da fantasia, aquele onde tudo é possível. Leonor abre a mala de médico - oferecida pelo avô -, veste a bata branca e coloca o estetoscópio ao pescoço. "Foi a melhor prenda da vida dela", diz a mãe, Margarida Cerveira. No consultório está tudo a postos para a doutora de cinco anos começar a cuidar da borbulha da irmã Sofia, de 1 ano e meio. Usa um pouco de creme, que, como explica ao DN, "é para tirar as dores". Enquanto isso, Frederico, de 7 anos, o mais velho dos três irmãos, diverte-se a montar legos com o amigo David. Não há tempo a perder, a hora de almoço está quase a acabar.

Duas vezes por semana, Margarida, psicóloga, e o marido, Artur Figueiredo, agente cultural, unem esforços para passar a hora de almoço com os filhos. Uma forma de tentar contrariar a correria do dia-a-dia. E sempre que possível brincam. "A base da educação parental é o brincar. É a linguagem que as crianças melhor entendem", diz--nos a mãe. Mudaram de casa há pouco tempo e ainda não há televisão. "Não temos uma cultura televisiva", explica. Ao fim de semana, Frederico dedica meia hora por dia aos jogos de computador. Não há tablets, nem o vício de mexer nos smartphones dos pais, que não se consideram extremistas, mas ressalvam que os preocupa que "os miúdos fiquem muito dependentes das máquinas".

É no quarto de brincar que os três irmãos se divertem, soltam a imaginação. Da estante de livros tiram as histórias que querem ouvir à noite. Sofia sabe onde estão os seus, na prateleira de baixo. As bonecas, os puzzles, os jogos, as peças da Playmobil convivem com alguns brinquedos do tempo dos pais. A ideia é deixá-los brincar. E, sempre que possível, ao ar livre, no quintal, num parque ou na quinta dos avós. "A profissão deles é brincar", frisa Margarida. "E gostam que brinquemos com eles", acrescenta Artur. Para o casal, "devia ser obrigatório ter meia hora por dia para brincar com as crianças".

A ideia de que as brincadeiras estão na base da educação é partilhada por Beatriz Pereira, investigadora do Centro de Investigação em Estudos da Criança, da Universidade do Minho, que falou com o DN a propósito do Dia Mundial do Brincar, que hoje se comemora: "É absolutamente indispensável que os pais brinquem com os filhos. Todas as famílias com crianças pequenas deviam ter acesso a condições que lhes permitissem fazê-lo, porque é preciso tempo." Os primeiros contactos com o bebé e as formas de comunicação são lúdicas. "É através do jogo que são feitas as aprendizagens de cooperação, partilha, das regras", prossegue a investigadora. Mesmo antes de nascer, o bebé já brinca. "Brinca na barriga da mãe e sabe-se, por registos ecográficos e outros estudos, que se entretém. Brinca e utiliza o seu próprio corpo para isso", explica o pediatra Mário Cordeiro. Além de ouvirem, "os bebés veem desde muito cedo e apercebem-se de alguma luminosidade que chega através da parede abdominal da mãe". Se calhar, "veem sombras chinesas e devem divertir-se a vê-las", argumenta.

O pediatra diz: "O brincar com o seu corpo, com o dos pais e com os brinquedos ou com qualquer coisa que passe ou que esteja ao seu alcance é importante e uma brincadeira." Só que os adultos estão tão ocupados que, por vezes, nem reparam em "como magníficas são as crianças a brincar... e a manipular, seduzir e convencer".

Brincar pode parecer simples, mas é uma das atividades mais elaboradas. Mário Cordeiro diz que "desenvolve a criatividade, o imaginário, a imaginação, a alternância, o sentido figurativo e representativo, e a organização dos gestos, das falas e dos cenários". E não exige brinquedos. "Os bebés servem-se do próprio corpo e brincam com as mãos e com os pés. Os mais velhos agarram em dois ou três objetos e fazem deles o que querem, inventam histórias e ações."

Brincar, a receita da felicidade

Beatriz Pereira avisa que "uma criança que não brinca é infeliz". "A vida das crianças estará em risco se não tiverem espaço e tempo para brincar." A investigadora defende que "é absolutamente necessário que, até aos 6 anos, as crianças tenham grandes períodos para brincar livremente, sem orientação dos professores, e se possível ao ar livre". Além de estar associado a estilos de vida ativos e saudáveis, brincar é "essencial para o desenvolvimento integral, onde se destaca o desenvolvimento motor, social, emocional e cognitivo".

Quanto mais pequenas são as crianças, maior a necessidade de brincar. "É preciso que não tenham a agenda muito preenchida com atividades." Outro entrave são, muitas vezes, as tecnologias. "Aparecem muitas vezes para dar lugar à falta de tempo dos pais para levar as crianças para espaços ao ar livre", lamenta a investigadora da Universidade do Minho. Não se pode impedir que tenham contacto com a tecnologia, "mas é essencial brincar ao ar livre, o brincar espontâneo, sujar-se, esmurrar-se". Para aprender os limites, a criança tem de saber até onde pode ir.

Cultura do "quero tudo, já"

Brincar é também aprender a lidar com sentimentos menos bons. "As brincadeiras reais, fantasistas, permitem à criança, desde muito cedo, sublimar algumas frustrações e aprender a gerir o stress e a contrariedade, o que é fundamental nos nossos dias, já que, na nossa sociedade, gravitamos muito à volta do "quero tudo, já!", e qualquer obstáculo ou dificuldade é sentida como uma agressão do outro, levando a sentimentos de raiva, violência ou vitimização", afirma Mário Cordeiro. Muitas vezes, a própria brincadeira serve para "ar- quitetar situações em que a criança pretende, afinal, exprimir as suas angústias, revelar o que vai na alma e dar sinal dos problemas que a atormentam".

Através da brincadeira, defende o pediatra, "devemos fazer que se promova, nos nossos pequenos ecossistemas, culturas de segurança, de afetos, de gestão pacífica de conflitos e, antes de mais, uma cultura lúdica, de prazer e de brincadeira". Dentro do Homo sapiens é preciso recuperar "o Homo ludens, ou seja, durante toda a vida, é preciso manter a parte da brincadeira e da criatividade (e de expressão de sentimentos) para que a vida seja mais longa, mais tranquila e com mais momentos de felicidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.