600 cirurgiões em Lisboa para assistir a maratona de operações

Aprender mais sobre a utilização de robôs na sala de operações é um dos objetivos do congresso europeu. Em Portugal só existem três - todos em privados

As atenções dividem-se entre as três imagens dos blocos operatórios onde decorrem, em simultâneo, as cirurgias - três doentes estão a ser operados aos rins, para retirar tumores malignos. Não será um programa de televisão muito apelativo para a maior parte do público, mas este é especial: na plateia da Fundação Champalimaud há centenas de médicos de 39 países que vieram a Lisboa para um congresso europeu sobre os desafios da utilização da robótica na urologia. Ao longo dos próximos dois dias, vão poder assistir a 23 operações, 12 com recurso a robôs cirúrgicos de última geração.

Zhou-Jun Shen veio da China e já fez mais de 800 laparoscopias com a ajuda de um robô - são cirurgias pouco invasivas, feitas através de incisões onde são introduzidos os instrumentos e uma câmara. Há 30 anos, quando saiu da universidade, ainda não se fazia este tipo de cirurgia e a utilização de robôs era do domínio da ficção científica. Hoje há cinco sistemas robóticos no hospital de Xangai onde trabalha e Shen não tem dúvidas: mesmo que sejam ainda muito caros, o médico acha que vão fazer o mesmo caminho dos carros ou dos computadores e tornar-se vulgares. Por isso, é preciso aprender e não ficar para trás. "Temos de manter uma mente aberta."

Em Portugal, no entanto, só existem três sistemas cirúrgicos robóticos Da Vinci e apenas dois são de última geração - todos estão em instituições privadas. Um destes chegou à Fundação Champalimaud há alguns meses e só em maio começou a ser utilizado, depois de os cirurgiões terem feito formação em Bruxelas. Para Jorge Fonseca, um dos diretores do congresso e urologista da Unidade da Próstata da Fundação, a questão é o preço, cerca de dois milhões e meio de euros: "Se não fosse esse fator, esta tecnologia já estaria democratizada." Aliás, enquanto em Portugal existem três robôs, em Espanha existem 30, salienta, acrescentado que espera que a competição entre marcas faça descer o preço dos equipamentos.

Menos invasivo, mais preciso

As vantagens desta técnica são fáceis de perceber. A laparoscopia - que já é feita em hospitais de todo o país, do Serviço Nacional de Saúde e privados, para operações à próstata, aos rins, à bexiga, etc. - é menos invasiva do que uma cirurgia convencional, já que são abertos pequenos orifícios. "Há menos sangue, o pós-operatório corre melhor, a reabilitação é mais rápida e minimizam-se as sequelas", explica Jorge Fonseca.

Com estes sistemas, que usam a mesma tecnologia utilizada pelos astronautas no espaço, é o robô a manejar os instrumentos, controlado pelo cirurgião, através de uma consola. Há mais flexibilidade e consequentemente uma maior precisão. "É importante nos casos em que seria necessário abrir um doente para ter o mesmo grau de liberdade de movimentos", diz o urologista.

Além disso, são áreas em que a precisão é importante: seja para retirar um tumor ou metásteses, para preservar as funções da próstata ou para evitar a incontinência. As cirurgias são tão complexas que mesmo quem já fez centenas considera estes encontros importantes para aprender. Sobretudo para ver os melhores, que já fizeram milhares de operações, trabalhar.

É o caso de alguns dos 50 cirurgiões convidados que vão operar ao longos destes três dias do congresso europeu: são 23 cirurgias com doentes que vieram de hospitais de todo o país. E cerca de 600 médicos vão assistir às transmissões em direto. Ontem de manhã puderam ver três casos delicados - a remoção de tumores em dois doentes que só tinham um rim, que era preciso preservar, e noutro que tinha apenas um rim que não funcionava bem. Todas com sucesso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.