Número de mortos no incêndio de Pedrógão Grande sobe para 58

Maioria das vítimas mortais estava em zona de estrada. Governo pede às pessoas que não se desloquem ao local

O número de mortos no incêndio de Pedrógão Grande subiu para os 58, informou o secretário de Estado da Administração Interna, num balanço feito às 12:00 deste domingo. Das vítimas mortais, quase 50 foram encontradas em zonas de estradas, 30 dentro dos carros e 17 na berma. Há crianças entre as vítimas.

Há ainda 54 feridos, disse Jorge Gomes. Num balanço anterior, feito às 10:00, o secretário de Estado da Administração Interna informara que havia a registar, até então, 57 vítimas mortais. O mesmo responsável lançou um apelo à população, pedindo para que os locais não se desloquem ao local, facilitando assim o trabalho das equipas que combatem as chamas.

O governante disse à comunicação social que, neste momento, as prioridades são dar paz às pessoas que estão a sofrer com a perda de vidas e dar paz aos operacionais que combatem as chamas, controlando o incêndio, que continua com quatro frentes ativas, duas das quais com "extrema violência".

Visivelmente emocionado, Jorge Gomes apontou os locais em que foram encontradas as vítimas mortais, na Estrada Nacional 236, que faz a ligação ao Itinerário Complementar (IC) 8.

"Foram encontradas 30 pessoas em viaturas e 17 fora das viaturas ou nas margens da estrada e em ambiente rural foram encontradas 10 vítimas mortais", disse.

O governante explicou ainda que o fogo se mantém com quatro frentes ativas, duas "com grande violência", e indicou que no terreno estão cerca de 700 operacionais, apoiados por cerca de 250 viaturas. A combater as chamas estão também dois meios aéreos - dois Canadair - um português e um espanhol. Há um terceiro a caminho.

O cenário na zona onde lavra o incêndio é de um castanho queimado, constatou já esta manhã o repórter do DN no terreno. As chamas estiveram a 50 metros do centro de Pedrógão Grande.

PJ no terreno

A PJ está a trabalhar no levantamento dos corpos; equipas no terreno estão a fazer deteção de cadáveres, dando depois informação à Polícia Judiciária, que os recolhe.

O diretor nacional da Polícia Judiciária revelou entretanto que o incêndio que deflagrou no sábado no concelho de Pedrógão Grande teve origem numa trovoada seca, afastando qualquer indício de origem criminosa.

"A PJ, em perfeita articulação com a GNR, conseguiu determinar a origem do incêndio e tudo aponta muito claramente para que sejam causas naturais. Inclusivamente encontrámos a árvore que foi atingida por um raio", disse Almeida Rodrigues.

O comissário europeu para a Ajuda Humanitária, Christos Stylianides, anunciou já este este domingo que a União Europeia está pronta ajudar Portugal, tendo já sido enviados aviões de combate a incêndios pelo Mecanismo de Proteção Civil europeu.

"Numa resposta imediata a um pedido de assistência das autoridades portuguesas, o Mecanismo de Proteção Civil da UE foi ativado para providenciar aviões de combate a incêndios", disse o comissário, num comunicado.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, já manifestou pesar pelas mortes nos incêndios em Portugal.

Em atualização

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.