Secretário de Estado volta a afirmar que incêndios têm origem criminosa

Jorge Gomes justifica a afirmação com o facto de as áreas em chamas serem aquelas onde há pastorícia

O secretário de Estado da Administração Interna considerou que os incêndios florestais registados hoje têm origem criminosa, uma vez que as áreas que estão a arder são aquelas onde há pastorícia.

"As áreas onde há pastorícia estão todas a arder. Isto não é por acaso", disse Jorge Gomes, que está em Arouca, onde está situado o posto de comando do incêndio de Vale de Cambra, no distrito de Aveiro, à agência Lusa.

Questionado se considerava que os incêndios de hoje tinham origem criminosa, o secretário de Estado respondeu: "Sim".

"Não se põe um país arder de um dia para outro só porque se anunciou que amanhã [segunda-feira] vai haver chuva. Como vai haver chuva, os pastos estão proibidos de fazer queimadas, foi prolongada a proibição até 31 de outubro, há gente que não resiste a isso, que olha para os seus interesses pessoais", sustentou.

Já na semana passada, o governante tinha afirmado que os fogos que têm assolado o país são de origem criminosa, só que não tinha "forma de provar" essa convicção.

Jorge Gomes disse também que hoje está a ser um "dia muito complicado", existindo "quase 19 grandes incêndios" e é o dia do ano em que se registam "em simultâneo" o maior número de fogos de grande dimensão.

O secretário de Estado garantiu ainda que "estão todos os meios mobilizados", não estando a ser retirados dos distritos que não têm fogos, porque também pode surgir nestas zonas incêndios.

"O dispositivo foi reforçado desde a semana passada em 1.000 homens porque as condições do tempo não desagravavam. Mas isto é tudo insuficiente. Não há muito a fazer a não ser combater os incêndios e defender as pessoas e os seus bens. É isso que estão a fazer os operacionais", acrescentou.

A adjunta de operações nacional da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) Patrícia Gaspar afirmou que hoje "foi o pior dia do ano em matéria de incêndios", tendo sido ultrapassados os 300 fogos florestais.

A responsável da ANPC afirmou ainda que, às 17:30, existiam 13 incêndios de importância elevada, destacando como mais graves os de Monção, o de Seia, o de Vale de Cambra, Lousã, Sertã e Arganil.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.